Confusão16/07/2012 | 12h13Atualizada em 16/07/2012 | 13h18

Falta de comunicação entre Ministério e Secretaria da Saúde atrasa investigação sobre Gripe A

Três técnicos estão em Porto Alegre para ajudar na elaboração de um diagnóstico para entender a mortandade no Estado

Enviar para um amigo

A manhã desta segunda-feira se iniciou com uma confusão envolvendo a Saúde. O Ministério da Saúde havia anunciado na semana passada que três técnicos da Secretária Nacional da Vigilância Sanitária estariam no Rio Grande do Sul, a pedido do Estado, para elaborar um diagnóstico que buscasse entender a mortandade por Gripe A. 

Os epidemiologistas desembarcaram na Capital ainda na sexta-feira e até o início da tarde não haviam dado início aos trabalhos.

O titular da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul, Ciro Simoni, disse que não sabia da chegada dos profissionais, nem havia sido notificado e que fora avisado da vinda pela imprensa.

— Eu não pedi nada, não fiz solicitação nenhuma. Se os técnicos vieram, não me encontraram. Espero que o ministério me comunique — ressaltou Simoni.

O secretário salientou que, desde a semana passada, os profissionais locais trabalham na análise dos prontuários de todas as mortes em todos os municípios onde elas ocorreram. Ele acredita que essa atitude já seja suficiente.

— Não somos arrogantes e jamais proibiríamos a ajuda de técnicos de fora, só precisamos ser avisados e aí podemos trabalhar em parceria — comentou o secretário.

Segundo o Secretário Nacional da Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, houve uma falha de comunicação entre os órgãos. Ele ressaltou que, por tratar-se de um procedimento informal de cooperação, não são necessárias notificações ou preenchimento de protocolos, o que pode ter gerado o déficit de entendimento:

_ É nosso interesse investigar esse vírus, juntamente com as secretarias locais. Não se trata de nenhuma auditoria. Pelo contrário, o Rio Grande do Sul está lidando de forma exemplar com o combate à doença. É apenas um reforço de pessoal, não um estudo independente. Nossos técnicos são capacitados, com sensibilidade para entrevistar familiares de vítimas, sabem as perguntas certas a fazer _ explicou Barbosa.

No cronograma, está a previsão de investigar as mortes a exemplo do que ocorreu em Santa Catarina recentemente, onde os profissionais permaneceram por cerca de um mês e visitaram os domicílios das vítimas da doença para traçar um perfil dos casos.

O secretário nacional crê que em poucos dias este estudo seja finalizado, mas não soube precisar quando. O trio se junta à equipe local no início da tarde desta segunda-feira.

_ Telefonei agora para o secretário e já resolvemos tudo. Foi um mal entendido. Essa investigação será liderada pelo próprio secretário Ciro.

Questionado sobre o que a equipe de Brasília estaria fazendo no Estado desde o final de semana até o início dos trabalhos, Barbosa respondeu apenas que estavam tomando pé da situação e complementando atualizações técnicas.

O secretário Ciro Simoni reforçou a ideia de que uma pandemia como a de 2009 está descartada e que é dada uma atenção especial à Gripe A em função de que ela pode aprofundar mais rápido o estado geral do paciente.



Veja mapa das mortes por gripe A desde 2009

Leia mais notícias sobre a gripe A


Saiba mais sobre gripe A

Principais sintomas da gripe A:

- Tosse e espirros
- Fortes dores no corpo, na cabeça e na garganta
- Febre alta,acima de 38°C
- Pode haver náuseas, vômitos e diarreia
- Falta de ar

Para prevenir a contaminação, é aconselhado:

- Higienizar as mãos com frequência, principalmente após tossir ou espirrar
- Utilizar lenço descartável para higiene nasal
- Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
- Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca
- Não partilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal
- Evitar aperto de mãos, abraços e beijo social
- Reduzir contatos sociais desnecessários e evitar, dentro do possível, ambientes com aglomeração
- Ventilar os ambientes

Siga @bemestarzh no Twitter

clicRBS
Nova busca - outros