No limite02/05/2012 | 11h03

Pesquisa da Unisinos avalia nível de estresse em professores do ensino privado

Mais da metade dos docentes consultados estão estressados

Enviar para um amigo
Pesquisa da Unisinos avalia nível de estresse em professores do ensino privado Claudio Vaz/Agencia RBS
Duplas jornadas, salas superlotadas e alunos que não respeitam limites estão entre as razões Foto: Claudio Vaz / Agencia RBS

No início de outubro de 2011, professores do ensino privado fizeram uma greve diferente: descansaram no fim de semana. O que poderia parecer irreverência era sintoma de algo agora comprovado cientificamente: a categoria está cansada, estressada, doente.

Para chegar a essa constatação, foi realizada a pesquisa Avaliação do Nível de Estresse em Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul. Pesquisadores do Departamento de Pós-graduação em Psicologia da Unisinos ouviram 202 docentes.

A prevalência de estresse na amostra estudada foi de 58,4%. Os sintomas que mais se destacaram foram o cansaço excessivo e a tensão muscular.

Muito trabalho, duplas ou triplas jornadas, salas de aula superlotadas e alunos que não respeitam limites estão entre as razões da enfermidade coletiva.

— A educação poderá ser prejudicada. Este professor está apresentando um sofrimento e prejuízo na sua saúde — diz a doutora Janine Kieling Monteiro, coordenadora da pesquisa.

Os pesquisados atuam na Educação Infantil, nos níveis Fundamental e Médio e na Educação Superior na Capital e em Caxias do Sul, Passo Fundo, Santa Maria, Pelotas, Canoas e São Leopoldo. Os participantes têm entre 25 e 70 anos.

Para Liliane Vieiro, coordenadora do Sinpro/Caxias, a pesquisa confirma o alerta feito pelos sindicatos, de que é urgente reduzir o número de alunos por turma e o número de turmas por docente.

Comentar esta matéria Comentários (1)

Sergio

Minha esposa é professora do ensino médio de escolas particulares de Porto Alegre. Não há noite durante a semana e praticamente todos os fins de semana em que éla não tenha de planejar aulas ou elaborar e corrigir provas. Não seria justo executarem estas tarefas nas escolas e de forma remunerada?

02/05/2012 | 17h57 Denunciar

Siga @bemestarzh no Twitter

clicRBS
Nova busca - outros