CPI do Cachoeira26/06/2012 | 17h25

Para relator, Marconi Perillo mentiu sobre venda de casa

Odair Cunha afirma que história sobre negociação foi montada pelo governador e o bicheiro

Enviar para um amigo

O relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), disse nesta terça-feira que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), mentiu à comissão ao explicar a venda da sua casa no ano passado.

— Com certeza (o governador mentiu). Está evidente que a história foi uma história montada. A história da casa é para negar a relação do governador com o senhor Carlinhos Cachoeira — afirmou Odair, ao fim do depoimento do arquiteto Alexandre Milhomem.

 

Leia mais:

Parlamentares questionam depoimento de arquiteto na CPI do Cachoeira

 

Segundo o relator da comissão, Cachoeira tenta "o tempo inteiro" esconder de quem havia comprado a casa. Ele disse que há interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal, no curso da Operação Monte Carlo, que revelam que ele manda rasgar um contrato de compra e venda firmado entre o contraventor e Perillo. A casa, avaliada em R$ 1,4 milhão, foi paga com três cheques de uma empresa que tem como sócio um dos sobrinhos de Cachoeira, Leonardo de Almeida Ramos. À CPI, Perillo negou saber quem havia comprado a casa, tendo transferido toda a negociação para o ex-vereador Wladimir Garcez (PSDB).

O relator poderá sugerir ao final dos trabalhos que indicie Perillo pelo crime de perjúrio, quando alguém mente em um depoimento. Para Odair Cunha, outra prova da transação é a de que a mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, contratou o arquiteto Alexandre Milhomem para trabalhar no projeto de decoração da casa. O arquiteto recebeu R$ 10 mil em cinco parcelas, uma das quais paga com recursos da Alberto e Pantoja, empresa do esquema do contraventor.

O relator da CPI questionou ainda o fato de Cachoeira ter gasto R$ 500 mil para mobiliar uma casa somente para habitá-la por alguns meses. O arquiteto afirmou à comissão que Andressa disse a ele que o casal iria morar lá provisoriamente. Cunha disse que não será obrigatória a volta de Perillo à CPI. Segundo ele, a comissão vai buscar "meios de prova para desmontar a tese aqui desenhada".

O relator observou que, se tivesse interesse em esclarecer o fato, Lúcio Fiúza Gouthier, ex-assessor especial do governador goiano, não teria pedido um habeas corpus para permanecer em silêncio nesta terça na comissão. Fiúza participou da negociação da venda da casa de Perillo.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesRT @zh_gremio: Luiz Zini Pires: "Grêmio enfrentará San Lorenzo com portões abertos" ---> http://t.co/NyUnOsjud4há 2 minutosRetweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesRT @zh_gremio: Luan volta sem proteção na mão e faz treino físico no Olímpico ---> http://t.co/597JhVsD5fhá 4 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros