Tela mágica21/06/2012 | 05h12

Relação Lula-Maluf expõe vale tudo de siglas e candidatos por segundos na TV

Polêmica ilustra falta de critérios de partidos ao fazer alianças de olho no tempo de propaganda

Enviar para um amigo

Não importa de que lado estão: para garantir alguns segundos a mais na TV e ganhar visibilidade junto ao eleitorado, candidatos unem-se a adversários históricos, imploram o apoio de partidos nanicos e deixam para trás ideais e convicções.

A aliança firmada no início da semana entre o PT de Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo, e um de seus mais antigos desafetos, o deputado Paulo Maluf (PP), turbinou a polêmica.

Por 1min35s a mais diante das câmeras, o ex-presidente Lula e Haddad, seu afilhado político, engoliram o orgulho e, constrangidos, foram até a casa de Maluf, na segunda-feira, apertar a mão do ex-inimigo. Sorridente, o deputado tratou de resumir o acontecimento em uma única e desconcertante frase:

— Não existe mais direita e esquerda. Existe tempo de TV.

O pragmatismo de Maluf, reconhece o professor de Comunicação Política da USP, Gaudêncio Torquato, virou prática corrente na política. Tomou o lugar das ideologias como um punguista ataca sua vítima, de forma rápida e rasteira.

— A política está virando espetáculo circense. A imagem suplanta o conteúdo, e isso está transformando as eleições deste ano em uma geleia geral — lamenta Torquato.

O caso petista não é único. Em todo o país, afirma o cientista político Paulo Kramer, da UnB, há uma espécie de "conformismo" na classe política. Mesmo os mais resistentes, afirma ele, se renderam às alianças de ocasião.

A curto prazo, os especialistas não veem solução para o problema. A longo prazo, as saídas passam por uma reforma política eficiente e pelo amadurecimento do eleitor. Mas o que fazer quando a propaganda começar, em 21 de agosto?

— Será preciso escolher. Ou você lê o programa partidário ou liga a TV. Não espere coerência — afirma Kramer.

Na Capital, PDT terá programa mais longo

Na eleição em Porto Alegre, a briga por tempo de TV também levou os principais candidatos a uma corrida por alianças, nem sempre compatíveis ideologicamente.

Só o prefeito e candidato à reeleição José Fortunati (PDT) conseguiu reunir 11 partidos. O último a aderir foi o DEM, que faz oposição ao governo federal — apoiado pelos pedetistas. O reforço renderá a Fortunati o maior tempo de TV.

— Priorizamos as alianças desde o início e conseguimos o que queríamos: espaço para apresentar nossas propostas — diz o deputado federal Vieira da Cunha (PDT), coordenador da campanha.

Candidata do PC do B, a deputada Manuela D'Ávila chegou a disputar o PP com Fortunati. A sigla balançou, quase aderiu à comunista, mas desistiu. Manuela deve ter menos da metade do tempo de Fortunati.

— Isso não nos tira o sono. Manuela elegeu-se vereadora com 15 segundos — afirma um dos coordenadores da chapa, Juliano Corbellini.

Já o PT de Adão Villaverde, para fugir do isolamento, teve de apelar às siglas de menor expressão. Conseguiu o apoio do PV e outros dois. Hoje, espera convencer o PR a ficar do seu lado. O coordenador da campanha, vereador Adeli Sell, diz que a aliança está "99,99% certa".

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários
clicRBS
Nova busca - outros