Quitação eleitoral23/05/2012 | 17h59

Proposta que libera candidatos com contas reprovadas pode gerar embates jurídicos

Medida polêmica permite que políticos que tiveram comprovação de gastos rejeitada concorram

Enviar para um amigo

Um projeto aprovado na terça-feira pela Câmara dos Deputados aumenta a polêmica em torno da possibilidade de que um candidato possa ser eleito neste ano mesmo que suas contas de campanha anteriores tenham sido rejeitadas. Isso pode ocasionar embates jurídicos a respeito do tema.

A proposta, de autoria do deputado Roberto Balestra (PP-GO), inclui a possibilidade de concessão de um documento chamado de certidão de quitação eleitoral — e que garantiria os direitos políticos ao candidato — independentemente da aprovação ou não das contas de sua campanha.

No entanto, uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de março deste ano, determinou a exigência de aprovação das contas eleitorais para a obtenção da certidão e, em consequência, do próprio registro de candidatura. Pela determinação do TSE, os candidatos ficam inelegíveis se as contas estiverem incorretas. 

No entender de especialistas, o projeto aprovado pela Câmara, e que será encaminhado ao Senado, apenas reforça o que prevê a legislação eleitoral desde 2009 — garantindo a certidão mediante a simples apresentação das contas de campanha.

No entendimento do advogado especialista em Direito Eleitoral e professor da Escola Superior do Ministério Público, Antônio Augusto Mayer dos Santos, a questão é muito complexa e a aprovação do projeto não vale para este ano porque não atende ao princípio da anualidade (regra que impede que alterações na legislação valha a menos de um ano da eleição). Para o advogado, o projeto aprovado quase nada acrescenta à lei em vigor. Ele  lamenta também que o TSE tenha tomado uma decisão em sentido contrário.

— Acredito que a aprovação do projeto foi uma reação à resolução do tribunal, que colide com o texto da lei. A decisão do TSE cria uma insegurança jurídica — afirma.

Para o promotor designado para o gabinete de Assessoramento Eleitoral do Ministério Público do RS, Rodrigo López Zilio, a legislação deveria valorizar o trabalho de verificação e aprovação das contas de campanha. Ele acredita que a lei em vigor prejudica candidatos que efetuaram gastos de campanha dentro do exigido pela lei.

— Da forma que está, a lei viola o princípio da isonomia, prejudicando aqueles que tiveram suas contas aprovadas — observa.

Notícias Relacionadas

Novas regras 23/05/2012 | 11h

Câmara aprova projeto que permite registro de candidato que teve contas rejeitadas

Proposta muda interpretação do TSE e agora será encaminhada ao Senado

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários
clicRBS
Nova busca - outros