Versão mobile

Caso Kunzler27/02/2014 | 09h52Atualizada em 27/02/2014 | 17h31

Polícia descarta participação de suspeito na morte de publicitário em Porto Alegre

Mandado de prisão temporária foi cumprido no local de trabalho do suspeito

Enviar para um amigo
Polícia descarta participação de suspeito na morte de publicitário em Porto Alegre Ronaldo Bernardi/Reprodução
A delegada Áurea Hoeppel, titular da 6ª DP de Porto Alegre Foto: Ronaldo Bernardi / Reprodução

Após ouvir o único suspeito pela morte do publicitário Lairson José Kunzler, 68 anos, ocorrida na tarde de segunda-feira, em Porto Alegre, a delegada Áurea Regina Hoeppel, da 6ª Delegacia da Polícia Civil da Capital, descartou a participação dele no crime.

O homem, que prestou depoimento na delegacia, foi identificado por meio de impressões digitais encontradas no veículo da vítima. A delegada afirmou que, embora tenha sido encontrada uma digital dele, todas as outras provas técnicas não bateram.

Ele conseguiu comprovar que manobrou o veículo da vítima no estacionamento onde trabalha, mostrando um tíquete que registra a passagem da vítima pelo estabelecimento. Desta forma, a investigação se volta para a identificação de novos suspeitos. Coletas de digitais devem ser realizadas pelo Instituto-geral de Perícias (IGP).

Na quarta-feira, a delegada pediu à Justiça a prisão temporária do homem que atacou Kunzler a tiros para roubar R$ 44.250,00 quando ele chegava em um Civic em frente à portaria do condomínio onde morava no bairro Cavalhada, na zona sul da Capital.

Aurea também solicitou autorização para fazer buscas e apreensões. Tanto o nome do suspeito como os locais das buscas são mantidos em sigilo.

Vítima era observada por "olheiro"

O suspeito de matar Lairson José Kunzler era caroneiro de uma motocicleta usada para perseguir o publicitário após ele deixar uma agência do Itaú, no bairro Moinhos de Vento, onde recebeu dinheiro referente à venda de uma fazenda da família, no limite entre Porto Alegre e Viamão.

O publicitário não era correntista, mas foi até o banco para trocar cheques por dinheiro. Não havia data prevista para esse pagamento, mas Kunzler teria sido avisado de que a quantia estaria disponível no final da manhã de segunda. Ele também estaria portando outros cheques os quais foram sustados para que não pudessem ser descontados pelos criminosos.

A polícia sabe que a vítima era observada por um "olheiro" dentro do Itaú que viu Kunzler ser atendido em um setor à parte da agência, utilizado para saques de valores mais elevados, porém perceptível a quem presta atenção à rotina de atendimentos no banco. O olheiro estaria em uma fila e abandonou o local antes de ser atendido.



O publicitário

 
Foto: Dulce Helfer, Agência RBS

Conhecido pelo temperamento afável, Lairson José Kunzler, 68 anos, era vice-presidente de relações com o mercado da agência de publicidade Paim, onde era sócio desde 2001. Ingressou na empresa a convite de outros dois sócios, Marcus e Cesar Paim, que o conheciam desde o tempo em que trabalhavam em outra agência da Capital, a Escala, que tinha como cliente a revenda Volkswagen GaúchaCar, criada pelo pai de Lairson, Selvino.

Foi no varejo de automóveis que Lairson iniciou a vida profissional. Formado em administração de empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), ajudou o pai e irmãos a gerenciar outros negócios familiares como a revenda Fiat Jardim Itália, as locadoras de veículos Auto Locadora Gaúcha e Locarauto, assim como a concessionária de motocicletas GaúchaCross, da marca Honda.

— Foram pioneiras na locação de veículos no Rio Grande do Sul e na GauchaCar ao abrirem também à noite. Era uma pessoa muito afável — relembra o empresário Humberto Ruga.

A partir de sua atuação na Paim, Lairson Kunzler também ganhou destaque em entidades representativas do setor. Era diretor da Associação Riograndense de Propaganda (ARP) e do Sindicato das Agências de Publicidade do Rio Grande do Sul (Sinapro-RS).

— Era uma pessoa muito querida no mercado publicitário e tinha muitos amigos. Talvez um dos seus maiores prazeres era almoçar e jantar com amigos. Também era muito apegado à família. Uma figura doce, um cara de bom astral — recorda o diretor de marketing e novos negócios da Paim, João Batista de Cabral Melo.

Lairson Kunzler deixa a esposa Moema e os filhos André, Luciana e Patricia.

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraAO VIVO: Bloco de Luta protesta para pedir a revogação do aumento das passagens em Porto Alegre: http://t.co/SaRDgk0EuVhá 5 minutosRetweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesArena oferece descontos de até 50% para Grêmio x San Lorenzo http://t.co/dq7AAT4K76há 19 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros