Versão mobile

Rodin19/02/2014 | 19h14

Juiz Loraci determina prosseguimento da acusação de improbidade contra Yeda

Decisão do magistrado, responsável pelo maior caso da Justiça Federal gaúcha, coloca ex-governadora na condição de ré

Enviar para um amigo

Na tarde desta terça-feira, o juiz Loraci Flores de Lima, titular da 3ª Vara Federal de Santa Maria, determinou o prosseguimento em relação à acusação de improbidade administrativa - desdobramento da Operação Rodin. Segundo informações da assessoria do magistrado, a medida é uma decorrência do julgamento de setembro do ano passado, quando o Superior Tribunal de Justiça (STJ) colocou a tucana na condição de ré na ação de improbidade. Ainda de acordo com a assessoria do juiz, a decisão de mantê-la como ré é provisória, já que a decisão do próprio STJ também não é definitiva. Nos próximos dias, a ex-governadora deve ser notificada para que, então, possa dar encaminhamento a sua defesa.

Com isso, a ex-governadora Yeda Crusius (PSDB) voltou a ser ré em uma das ações de improbidade. A tramitação do processo da tucana estava suspensa desde agosto de 2011, quando aguardava a confirmação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre a competência da Justiça Federal quanto a processar e, inclusive, a julgar governadores de Estado. Yeda chegou a ser excluída por outras duas vezes da ação, no entanto, o Ministério Público Federal (MPF) acabou recorrendo.

Na ação de improbidade administrativa, recam sobre a ex-governadora as acusações de prejuízo ao erário público, enriquecimento ilícito e violação dos princípios constitucionais da administração pública.

O QUE DIZ A DEFESA DE YEDA:

O advogado de Yeda, Fábio Medina Osório, sustenta que a matéria ainda será analisada pela vice-presidência do STJ e, inclusive, pela mais Alta Corte do país: o Supremo Tribunal Federal (STF). No entendimento do defensor da ex-governadora, a discussão envolve outras questões como a competência dos juízes de 1º grau em ações de improbidade contra gestores públicos _ já que a então governadora tinha a prerrogativa de foro em tribunais superiores quando a ação foi proposta. A defesa também declarou que "a ex-governadora quer se defender pessoalmente de todas as acusações, por entender que se trata de uma ação arbitrária contra ela".

Comentar esta matéria Comentários (1)

Glauco Fonseca

Apenas para lembrar de incluir no Manual de Redação a lembrança de que ERÁRIO é sempre PÚBLICO.Segundo o dicionário Aulete (e.rá.ri:o)sm. 1. O conjunto dos recursos financeiros do poder público; FAZENDA; TESOURO 2. Órgão governamental responsável pelo erário (1)[F.: Do lat. aerarium.

19/02/2014 | 21h49 Denunciar

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraAcidente na BR-116 deixa um morto na madrugada desta sexta-feira. http://t.co/SQyovEH8Tuhá 2 horas Retweet
  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraObama lamenta a morte do escritor Gabriel García Márquez: http://t.co/XhYaDM6g9jhá 2 horas Retweet
clicRBS
Nova busca - outros