Versão mobile

Sobrevivente da Rota do Sol27/02/2014 | 11h04Atualizada em 27/02/2014 | 15h04

'A minha dor não é nada perto das pessoas que perderam a vida' diz motorista envolvido em acidente em Caxias

Paulo Francisco Arruda Schmidt alega não se lembrar de ter rodopiado com caminhão

Enviar para um amigo
'A minha dor não é nada perto das pessoas que perderam a vida' diz motorista envolvido em acidente em Caxias Roni Rigon/Agencia RBS
No Hospital Pompéia, Schmidt concedeu entrevista ainda abalado com a morte de duas pessoas Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Rodrigo Chernhak, especial

rodrigo.chernhak@pioneiro.com

Minutos antes de ser liberado do Pronto-Socorro do Hospital Pompéia na manhã desta quinta-feira, Paulo Francisco Arruda Schmidt, 47 anos, conversou com o Pioneiro. Motorista do caminhão que se envolveu em acidente que vitimou dois homens próximo do trevo de acesso a Monte Bérico, Schmidt amarga as marcas da colisão. Tem ferimentos por todo o corpo, mas a dor mais profunda, garante, foi ter se envolvido na morte de outras pessoas.

Ainda com dificuldades para falar, Schmidt não quis ser fotografado e alega não se recordar de detalhes do ocorrido. Conta que sentiu uma pancada em seu caminhão e que em seguida ficou desacordado, vindo a recobrar a consciência somente no hospital. Ele não lembra de ter rodopiado na pista e frisa que não excedeu a velocidade permitida no trecho.



>> Trevo de Monte Bérico é conhecido pelo perigo e frequência de acidentes



Confira a seguir a entrevista:

Pioneiro: O senhor se lembra como foi que ocorreu o acidente?
Schmidt: Eu lembro pouca coisa, que eu vim vindo, aí um automóvel vinha subindo e foi tirar para ultrapassar e se perdeu e veio direto em minha direção e eu segurei. Aí eu só senti que alguém bateu atrás de mim e depois não vi mais nada. Eu só senti um empurrão no caminhão e aí não vi mais nada.

Pioneiro: Não se lembra de ter rodopiado na pista?
Schmidt:
Não me recordo, porque a hora que eu segurei o caminhão, deu a batida e ali já não vi mais nada. Eu estava a uns 60 por hora, 60 e poucos, não tinha velocidade para rodopiar.

Pioneiro: O senhor ia para onde?
Schmidt:
Eu estava indo para a mecânica levar o caminhão para arrumar. (De acordo com Jaqueline Carniel, gerente de compras corporativas e responsável pelos seguros da TransCaxias, o caminhão se dirigia à mecânica Top Marcas para arrumar o climatizador da cabine. Segundo ela, o aparelho estava estragado permitindo que chovesse em cima do motorista)

Pioneiro: Sempre trabalhou como caminhoneiro?
Schmidt:
Pode puxar o meu currículo, a minha carreira, eu nunca tive acidentes graves. Já viajei por todo esse Brasil, nunca levei uma multa de trânsito, sempre tentei cumprir com a norma da lei. Por uma desgraça do destino aconteceu isso aí que óbvio que eu não queria.

Pioneiro: É a primeira vez que acontece isso? Já se envolveu em outros acidentes?
Schmidt:
A primeira vez forte foi esse aí. Outros acidentes fortes assim nunca. Pode puxar meu currículo, pela firma, tenho cinco anos de firma e não tenho uma multa de trânsito.

Pioneiro: Qual é o sentimento agora?
Schmidt:
Ah, é triste, porque eu não tiro a vida nem de um cachorro. Vou querer tirar a vida de um ser humano? Não é justo. Eu fiquei sabendo depois, na hora você não vê nada. Eu só rezo por essas pessoas porque podia ter sido eu também.

Pioneiro: Você se sente culpado?
Schmidt:
Eu culpado não porque é como te falei, jamais queria tirar a vida de ninguém. O meu nome está aí para quem quiser puxar, nunca me envolvi em acidente sério.

Pioneiro: Teve alguma fratura, alguma sequela?
Schmidt:
Só sei que eu fui parar fora do caminhão com a batida. Se eu estivesse em alta velocidade, garanto que poderia ter até batido no outro veículo que estava na minha frente. Não bati no veículo da frente, mas veio o outro e me engatou mesmo. O caminhão se desgovernou porque bateram atrás de mim, depois não vi mais nada. Estou todo dolorido, só sinto pelas pessoas. A minha dor não é nada perto das pessoas que perderam a vida.

Pioneiro: Pretende voltar ao trabalho depois de recuperado?
Schmidt:
A vida vai ter que continuar. Não posso morrer para a vida. Só sinto pelas pessoas que perderam a vida. Eu não quis tirar a vida de ninguém.

Notícias Relacionadas

Rota do Sol 27/02/2014 | 06h56

Identificadas vítimas do acidente próximo ao trevo de Monte Bérico, em Caxias do Sul

Paulo Jonas de Lima e Edson Alcides Almeida de Godois dirigiam uma Van e um Fiesta envolvidos em um acidente com outros dois caminhões

Violência no trânsito 26/02/2014 | 15h42

Acidente deixa pelo menos dois mortos e dois feridos na Rota do Sol, em Caxias do Sul

Colisão envolveu dois caminhões, carro e van próximo ao trevo de Monte Bérico. Trânsito está interrompido

Rota do Sol 28/09/2013 | 07h32

Em Caxias do Sul, fluxo intenso e velocidade caracterizam trevo do Monte Bérico

Trecho é o segundo ponto da RSC-453 visitado pelo Pioneiro. Seis pontos deverão receber melhorias em uma parceria do Estado com o município.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesTécnico do Inter Abel Braga dispara contra calendário: "Nem começou e já ficou desumano." http://t.co/6bOhZF1F7h http://t.co/V6yZlE58A3há 19 minutosRetweet
  • transitozh

    transitozh

    Trânsito Zero HoraBR-290 não apresenta mais lentidão.há 25 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros