Versão mobile

Cinema13/12/2013 | 15h11Atualizada em 13/12/2013 | 15h11

Primeiro longa brasileiro em stop motion estreia dia 20 nos cinemas

Filme que mostra as aventuras de três minhocas amigas foi produzido em Florianópolis

Enviar para um amigo
Primeiro longa brasileiro em stop motion estreia dia 20 nos cinemas Alvarélio Kurossu/Agencia RBS
Filme é o primeiro longa do diretor Paolo Conti Foto: Alvarélio Kurossu / Agencia RBS

As aventuras de três minhocas pré-adolescentes sob várias camadas da terra é o enredo do primeiro longa em stop motion brasileiro, que foi produzido em Florianópolis. A pré-estreia em Santa Catarina, que fecha o ciclo das apresentações nas principais cidades do país, ocorre neste sábado, no Floripa Shopping, para convidados. No próximo dia 20, a animação entra em cartaz em circuito nacional.

O longa do diretor Paolo Conti, com codireção de Arthur Nunes, mostra conflitos dos bichinhos semelhantes aos vividos pelos seres humanos. Feitas de silicone e resina, as minhoquinhas se unem para enfrentar o tatu-bola que sonha dominar o mundo. Ao mesmo tempo, os pais do protagonista Junior, de 11 anos, encaram os dilemas do filho que vive um momento de crise existencial.

A cantora Rita Lee, o lutador Anderson Silva, o ator e cantor Daniel Boaventura e outros artistas emprestaram suas vozes para a animação. Já as milhares de caras e bocas que os personagens fazem durante a trama deram muito trabalho à equipe. Para dar vida à história foram produzidos cerca de 1,4 mil estilos de boquinhas que compõem as expressões das minhocas.

Com um investimento de R$ 10 milhões — que representa um custo bem abaixo das produções similares  —, o longa produzido pelo estúdio de animação Animaking, com as coprodutoras Fox Filmes Internacional, Globo Filmes e Glaz Entretenimento, foi feito totalmente dentro das estruturas do Sapiens Parque, no Norte da Ilha. 

 — Nos Estados Unidos, por exemplo, projetos neste estilo começam com orçamentos de US$ 60 milhões. Produzir um filme que pudesse competir com eles nesta técnica específica era como escalar o Everest  — compara Conti.

A tecnologia disponível no Sapiens Parque era a solução que o diretor e sua equipe precisavam. Sem titubear, há sete anos ele se mudou de São Paulo para Florianópolis, trazendo junto um grupo de 10 pessoas. Aqui reuniu mais 80 membros para produzir o longa, que levou cinco anos para ser finalizado. 

 — Uma das grandes dificuldades era encontrar pessoas que acreditassem na ideia  — explica.

Outro momento difícil, lembra o diretor, foi quando o dinheiro prometido por um patrocinador não chegou. A espera de um ano e meio, entre 2009 e 2010, atrasou o lançamento do filme e também desmotivou a equipe. O momento passou, o dinheiro chegou e as produções foram retomadas a todo vapor.

Assista a entrevista com o diretor


Mais humano, menos caricatura

Uma história contada de uma forma diferente, escrita por cinco roteiristas, aborda tabus e medos típicos da pré-adolescência. O sucesso do premiado curta Minhocas, produzido em 2005 e lançado em 2006, foi o embrião para o longa, finalizado em 2012. O curta levou 11 prêmios no Brasil  — incluindo Animamundi SP e RJ e Fesival de Gramado  —, além do prêmio de excelência JVC Tokio Video Festival.

Com a ideia de produzir a versão estendida, ainda em São Paulo, o diretor Paolo Conti reuniu um grupo de crianças de várias idades para saber delas que elementos serviriam para construir as histórias. 

 — De forma sutil os personagens têm as características destas crianças. É uma história muito humana, que faz o público curtir  — observa.

No galpão de 500 metros quadrados do Sapiens Parque, pequenos cenários com montanhas de gesso e espuma foram montados para ganhar uma projeção maior nas telas. O artifício usado pela equipe do coordenador de estúdio Policarpo Graciano contribuiu para a economia de gastos.

O espaço permitia a montagem de 80 cenários de cada vez, que depois de desmontados eram reaproveitados. Ao todo a trama das minhocas é composta por 40 personagens  — agregada aos zumbis amplia-se para 80 bonecos.

As dublagens foram as primeiras ações do filme, depois o roteiro foi se adaptando ao andamento do longa até que a versão final saiu no último ano.

Estímulos e reações de crianças que assistiram a trechos da animação deram um norte para o encaminhamento das cenas. A equipe contou com a experiência do professor Emílio Takase, do Laboratório de Neurociência do Esporte e Exercício da UFSC, que em um procedimento com neurotransmissores calculou respostas neurais, sudorese e batimentos cardíacos delas durante as exibições. 

 — Com isso podíamos saber para onde as crianças olhavam em determinadas momentos, o que chamava atenção. Isso ajudou a pensar nas cenas  — observa Conti.


Stop motion — É uma técnica de animação quadro a quadro que usa objetos para dar vida e criar os movimentos dos personagens. Para cada segundo de filme são necessários aproximadamente 24 quadros (frames), ou seja, é preciso fotografar os bonecos, no caso as minhocas, em 24 poses diferentes (frames por segundo).

Para a produção do filme, foram feitas cerca de 400 mil fotos. Na versão final, 115 mil fotografias foram utilizadas. Durante a produção, a equipe chegava a passar 18 horas por dia no estúdio trabalhando.

Agende-se

O quê:
Minhocas  — O Filme

Quando: estreia nacional dia 20 (sexta-feira)

Site oficial: www.minhocasofilme.com.br

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraRichard Gere é confundido com mendigo durante gravação em Nova York: http://t.co/Z2ENcTN5o6 (Foto: Divulgação) http://t.co/Fhv63JJ0zIhá 3 horas Retweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesCadastramento de moradores da região do Beira-Rio será definido pela prefeitura na próxima semana http://t.co/qziSWJAUJ9há 4 horas Retweet
clicRBS
Nova busca - outros