Versão mobile

Tragédia em Santa Maria10/12/2013 | 12h15

Com adoção do Sigpi, setor de exames de projetos dos Bombeiros foi extinto, testemunhou capitão

Segundo oficial, o setor teve de ser reestruturado depois da tragédia na Kiss

Enviar para um amigo
Com adoção do Sigpi, setor de exames de projetos dos Bombeiros foi extinto, testemunhou capitão Lizie Antonello/Agencia RBS
Foto: Lizie Antonello / Agencia RBS

Em depoimento na manhã desta terça-feira, o capitão dos bombeiros Daniel Dalmaso Coelho disse que com a implantação do Sistema Integrado de Gestão de Prevenção de Incêndio (Sigpi), o setor de exames de projetos deixou de existir no 4º Comando Regional de Bombeiros (4º CRB). O Sigpi é um software que foi usado para simplificar o processo de obtenção de alvará de prevenção a incêndios.

O oficial respondeu pela chefia da Seção de Prevenção de Incêndios (SPI) por algumas vezes antes do incêndio na boate Kiss, em 27 de janeiro deste ano, e por algum tempo depois da tragédia.

Segundo ele, com determinação do Comando Geral dos Bombeiros de voltar a exigir as plantas e projetos dos estabelecimentos para concessão de alvarás, após a tragédia, o setor de exames teve de ser reestruturado, tanto em relação a espaço físico quanto no quadro de pessoal. À época, existia apenas um examinador no comando local e, atualmente, cinco profissionais fazem a tarefa.

Ainda conforme o capitão, antes da tragédia o projeto era exigido apenas em alguns casos específicos, como de um shopping, por exemplo. Depois, todos os estabelecimentos passaram a ter de apresentar as plantas e memoriais descritivos do imóvel para obter o alvará.

A primeira pessoa a depor na manhã desta terça foi o sargento Dan Carlos dos Anjos Nunes, do 1º Comando Regional de Bombeiros, em Porto Alegre. Ele veio para Santa Maria em 9 de abril para ajudar na força-tarefa organizada para reduzir o número de inspeções que aguardavam para serem feitas na cidade.

A audiência segue à tarde, no Plenário da Auditoria Militar de Santa Maria, com os depoimentos de mais dois bombeiros. A fase de testemunhas de acusação só será encerrada no ano que vem, com depoimento da engenheira Josy Maria Gaspar Enderle, que fez o projeto de Plano de Prevenção e Combate a Incêndio da Kiss, quando da abertura do estabelecimento. O depoimento foi adiado para 12 de março, às 14h, porque a engenharia teve problemas de saúde.

A acusação
Em agosto, o Ministério Público denunciou oito bombeiros por crimes como inobservância da lei, prevaricação e inserção de declaração falsa com fim de alterar a verdade em documento público.

A Justiça Militar aceitou denúncia de 8 bombeiros e sorteou quatro oficiais para formar o Conselho Especial de Justiça, que acompanha o processo até o julgamento.

A fase atual é de depoimentos de testemunhas de acusação. Depois serão ouvidas as testemunhas de defesa. Após, virá a fase de requerimentos de informações, as alegações escritas do MP e das defesas. Por fim, serão ouvidos os réus. Haverá alegações orais e o julgamento em plenário.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero Hora'Só olhávamos os helicópteros trazendo os corpos', relata catarinense que está no Monte Everest: http://t.co/XnmDoCflZxhá 1 horaRetweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesContra o Vitória, Inter estreia no Brasileirão e tenta não repetir campanhas dos últimos anos http://t.co/xGHy9rh6Cx http://t.co/RqtKNkfJx2há 1 horaRetweet
clicRBS
Nova busca - outros