Versão mobile

19/03/2011 | 12h14

Saiba mais sobre o noni, o fruto proibido pela Anvisa que é moda na internet

Apesar de diversos sites garantirem os benefícios do noni, a agência cita casos de efeitos colaterais sérios

Enviar para um amigo
Saiba mais sobre o noni, o fruto proibido pela Anvisa que é moda na internet stock.schng/Divulgação
Apesar de diversos sites garantirem seus benefícios, há suspeita de que o noni desencadeie hepatite e hepatotoxicidade Foto: stock.schng / Divulgação

A Morinda citrifolia, mais conhecida como noni, é o centro de uma polêmica. Originário do sudeste asiático, o fruto amarelado, com cheiro estranho (em alguns lugares, é chamado de fruta de queijo ou fruta de vômito, devido ao odor) e gosto ruim, não é muito conhecido no Brasil, mas bastante popular na Ásia e nas ilhas do Oceano Pacífico. As principais formas de consumo são o suco de noni, as sementes da fruta assadas, o chá das folhas e o extrato em cápsulas — embora os aborígenes australianos prefiram consumi-la crua com sal.

Apesar de alardeado como dono de mais de 101 aplicações medicinais — entre elas, ação anti-inflamatória e antioxidante, melhora do sistema digestivo, e até a cura do câncer —, o alimento é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo o órgão, as poucas informações e os estudos toxicológicos disponíveis até o momento são insuficientes para um consumo seguro. Os testes foram realizados somente em ratos. "Com o intuito de proteger e promover a saúde da população, os produtos contendo noni não devem ser comercializados no Brasil como alimento até que os requisitos legais que exigem a comprovação de sua segurança de uso sejam atendidos", diz o informe.

Apesar de diversos sites na internet garantirem os benefícios do noni — com direito a depoimentos de pessoas cujos males supostamente regrediram com o uso —, a agência cita casos de efeitos colaterais sérios. Por exemplo, há suspeita de que o fruto desencadeie hepatite e hepatotoxicidade. A professora de nutrição Juliana Toledo explica que os problemas hepáticos ocorrem porque o fígado é a porta de entrada de qualquer substância no organismo, funcionando como um filtro. Como não há pesquisas conclusivas, não se pode dizer com certeza se a causa do fenômeno é a composição nutricional da fruta ou a ingestão exagerada — a recomendação é de, no máximo, 30ml do suco por dia. Ou seja, menos do que uma xícara de café.

É verdade que existem alguns artigos científicos comprovando os efeitos do noni. A maioria vem de países asiáticos e é escrita a partir do uso feito por consumidores regulares — em geral, incrivelmente longevos. É a chamada medicina baseada em evidências.

— Mas a população asiática tem um estilo de vida completamente diferente do do homem ocidental, cultural e nutricionalmente falando. Não se pode atribuir a longevidade só ao noni, há outros fatores envolvidos. Por isso, não se aceitam esses estudos como base — explica Juliana.

Sob suspeita até segunda ordem

Defensores do noni alegam que a fruta é rica em proxeronina, mas não há testes que provem a presença ou a função real da substância no organismo. Outra alegação é que é rica em antioxidantes, substâncias capazes de combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento.

— A fruta é muito nutritiva, e contém mesmo antioxidantes. O problema é que as pessoas acham que os antioxidantes são a solução contra o envelhecimento. Os radicais livres vão surgindo ao longo da vida, não é tão simples erradicá-los. Não há a comprovação científica dos polifenois que dizem existir no noni — alerta a nutricionista Juliana Toledo.

Ela conta que alguns produtos derivados do noni continuam sendo comercializados sob a alegação de que estariam protegidos pela Resolução nº 27/2010 da Anvisa, que isenta alguns alimentos de registro. Porém os fabricantes não podem rotular suas embalagens sem o conhecimento do órgão — e o noni se encaixa como "alimentos com alegações de propriedade funcional e/ou de saúde", que precisam de registro.

— Os produtos acabam sendo vendidos em feiras e farmácias de forma ilegal, enganando o consumidor — alerta.

Apesar da proibição, não é difícil encontrar produtos derivados do noni. Em busca rápida na internet, quatro sites de venda aparecem logo na primeira página, oferecendo sucos, chás, cápsulas e até mudas da planta.

CADERNO VIDA ZH

Comentar esta matéria Comentários (9)

Ronald Loma

Pelo menos não mata o rato. Já sabemos que não funciona como raticida. A Anvisa é fantástica!

15/12/2013 | 12h58 Denunciar

maria r.n.assis

tive câncer de mama e já estou curada,graças a Deus e o uso de 30ml dário de suco de noni. Não vou fazer quimio nem radioterapia. Estou muito bem! o médico já mim liberou dos dois tratamentos.

06/05/2013 | 17h15 Denunciar

valdione

eu valdione aquino estou curada do policisto devido a tomar o suco do noni

25/04/2013 | 12h28 Denunciar

charliana

meu pai ja tem muito tempo que toma o noni e nunca fez mal e a ele sempre o bem e ele e diabetico + depois que começou a tomar o noni as taxas dele melhorou bastante sempre esta normal

21/04/2013 | 19h54 Denunciar

rafael

saudades do meu RS

21/03/2013 | 10h19 Denunciar

miguel hirata

Continuando comentário anterior... Minha mãe faleceu em 22/11/2012 devido a AVC hemorrágico (creio que decorrente de infarto devido talvez ao aumento na taxa de colesterol). Creio que o Noni teria evitado a morte da minha mãe mas não há como provar.

03/03/2013 | 09h52 Denunciar

miguel hirata

Continuando comentário anterior... Após 2 anos sem tomar o suco de Noni, minha mãe apresentou elevação nas taxas de colesterol e triglicérides e aumento de pressão arterial. Médico receitou Sinvastatina (efeitos colaterais no inicio do tratamento como vômito, queda de cabelo, etc).

03/03/2013 | 09h48 Denunciar

miguel hirata

Continuando comentário anterior... A empresa que comercializava o suco saiu do Brasil (Brasil é o único país no mundo onde o suco não é vendido) e não consegui mais adquirir o produto. Durante todo o tempo de consumo, minha mãe apresentou taxas sanguineas relativas ao fígado absolutamente normais.

03/03/2013 | 09h42 Denunciar

miguel hirata

Minha mãe era fez um transplante de fígado devido a cirrose causada por hepatite B e C. Quando teve alta, estava em depressão e com falta de apetite. 2 semanas após a alta tivemos contato com a Tahitian Noni e ela começou a tomar 30 ml/dia. Após 1 semana a depressão acabou e o apetite voltou.

03/03/2013 | 09h37 Denunciar

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • rosaneoliveira

    rosaneoliveira

    Rosane de OliveiraRede de omissões na tragédia de Três Passos é o título de abertura da minha coluna hoje em ZH: http://t.co/U8LfsvdhSmhá 53 segundosRetweet
  • transitozh

    transitozh

    Trânsito Zero HoraRT @mefortuna: Colisão traseira entre dois veículos no km 140 da BR-290. Dois motoristas se agrediram, um deles embriagado #GauchaTransitohá 6 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros