Versão mobile

24/06/2008 | 21h36

Tire dúvidas: tolerância zero à bebida alcoólica

Nova lei que proíbe ao motorista a ingestão de qualquer quantidade de álcool

Enviar para um amigo

Série de perguntas e respostas esclarece questionamentos elaborados por leitores de zerohora.com e pela redação de ZH a respeito da nova lei que proíbe os motoristas brasileiros de beber e dirigir.

Quanto de álcool posso beber antes de dirigir?
A lei assume tolerância zero com o álcool. Antes, um motorista podia ter até 0,6 grama de álcool por litro de sangue (dois copos de cerveja). Agora, mais do que zero de álcool é infração gravíssima, com multa de R$ 955 e suspensão do direito de dirigir por um ano. No princípio, enquanto se aguardam regulamentações, haverá tolerância até 0,2 grama de álcool.

Outros países têm o mesmo rigor em relação ao consumo de álcool por motoristas?
Há uma série de países que aplicam o mesmo rigor.

Como ficam as pessoas que apenas bebem socialmente, em quantidades que não alteram os reflexos?
Rodrigo Citrin, Porto Alegre
Com a nova lei, os motoristas estão proibidos de beber qualquer quantidade de álcool, um gole que seja. A lei brasileira assumiu tolerância zero em relação à bebida alcoólica. Desde sexta-feira, mais do que zero de álcool é um infração gravíssima, com multa de R$ 955 e suspensão do direito de dirigir por um ano.

Se eu beber e esperar um pouco antes de pegar a estrada, o álcool vai ter sumido do meu sangue?
É melhor não contar com isso. Se a pessoa beber dois chopes, a presença do álcool vai ser notada pelo bafômetro de três a seis horas depois do consumo. Quantidades maiores podem ser detectáveis por períodos bem superiores, até 12 horas.

Se tomar uma ou duas taças de vinho no almoço de domingo, quando poderei dirigir? Quantas horas são necessárias para eliminar por completo o álcool?
Hamilton Kleinowski, Porto Alegre
O tempo de permanência do álcool no organismo varia de uma pessoa para outra, conforme idade, peso e condições de saúde. O certo é que não basta esperar algum tempo depois da bebida para pegar a estrada. Mesmo que você beba dois copos de chope, o álcool pode ser detectável durante um período que vai de três a seis horas. No caso de uma bebedeira, pode estar sem condições mesmo na manhã seguinte, porque a presença do álcool se mantém por períodos prolongados.

Nunca mais poderei sair com minha esposa para um jantar romântico regado a uma taça de vinho. Por que neste país sempre os bons pagam pelos mal educados?
Roberto Kraemer Derosa, Porto Alegre
A alternativa é tomar um táxi ou o transporte coletivo na hora de voltar para casa ou então entregar a direção a quem não bebeu. O entendimento da lei é que, não importa a quantidade de álcool consumida, o motorista vai colocar a si e a outras pessoas em risco caso tome o volante. Mesmo quando são consumidas quantidades pequenas e não há sinais exteriores de embriaguez, as chances de a pessoa se envolver em um acidente aumentam.

Tenho o costume de beber no almoço uma taça de vinho tinto seco. Se logo após necessitar dirigir meu automóvel, for barrado por autoridade de trânsito e ficar comprovado que ingeri essa pequena quantidade de álcool, posso sofrer punição?
Hugo Ernesto Dienstbach, Dois Irmãos
Sim. Você vai receber uma multa de R$ 955 e perde o direito de dirigir por um ano, porque a lei proíbe dirigir com qualquer quantidade de álcool no organismo. Quando uma pessoa tem álcool no sangue, mesmo que não apresente sinais de embriaguez, ela está mais sujeita a sofrer acidentes. Uma taça de vinho significa de 0,2 a 0,3 grama de álcool por litro de sangue, o que configura infração mesmo com a margem de tolerância que vai valer nos primeiros tempos da lei.

Como o índice de álcool vai ser verificado?
Fiscais de trânsito e agentes das polícias rodoviárias poderão submeter os motoristas a testes com o bafômetro. A autoridade de trânsito também poderá levar o motorista suspeito para um exame clínico, se não houver um bafômetro.

O teste com o bafômetro é obrigatório?
O motorista pode ser recusar, mas, nesse caso, sofrerá a mesma penalidade destinada à pessoa comprovadamente alcoolizada: infração gravíssima, multa de R$ 955 e suspensão do direito de dirigir por um ano. Essa punição também será aplicada se o condutor se negar a outros exames para atestar a embriaguez.

E no caso dos sinais exteriores de embriaguez? Se eu estiver bêbado, eles vão desaparecer até eu ser levado a um hospital para o exame clínico?
Não necessariamente. O hálito da bebida, por exemplo, vai continuar presente por um período que varia de três a seis horas.

Como é feito o exame clínico?
Ele é realizado por um médico, por meio da observação. Ele tem limitações. Não determina a presença de álcool no sangue, mas sinais de embriaguez. O profissional verifica sinais como hálito e fala arrastada, além de aplicar testes para verificar a coordenação motora e o equilíbrio. A pessoa suspeita de ter bebido precisa caminhar e colocar o dedo no nariz de olhos fechados, por exemplo.

Isso significa que posso ter bebido sem que isso apareça no exame clínico?
Sim, pessoas que seriam apanhadas pelo bafômetro podem não apresentar nenhum sinal exterior de embriaguez, principalmente se beberam pouco. Muitas pessoas não vão ter alteração nenhuma depois de beber uma garrafa de cerveja. De maneira geral, o exame clínico só pega quem tem mais de 1 grama de álcool por litro de sangue.

O que acontecerá se eu me recusar a fazer o exame e depois entrar com um recurso, alegando que não estava bêbado?
Prevendo que motoristas embriagados possam recorrer a essa artimanha para escapar da punição, a lei prevê que o testemunho do agente de trânsito ou policial rodoviário tenha força de prova diante do juiz.

Posso me recusar a fazer o teste com o bafômetro sob a justificativa de que, pela legislação brasileira, ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo?
Esse entendimento amparava, até aqui, os motoristas que não queriam fazer o exame com o bafômetro. Mas a nova legislação é explícita quanto às penalidades para quem se negar a isso. O entendimento é que a regra não vale para o trânsito. Dirigir não seria um direito, mas uma permissão do poder público, concedida apenas a quem se habilita e segue determinadas regras

O que será penalizado é a conseqüência, ou seja, bebeu, bateu e estava alcoolizado, vai se complicar. Tomou duas taças de vinho e está dirigindo tranqüilamente, a autoridade aborda e pede documento, será liberado. É Lei Seca apenas para quem já cometeu o ilícito.
Ary Martini, Marau
Não é esse o espírito da lei. Não há necessidade de cometer outra infração ou delito para receber punições, porque dirigir com álcool no organismo já é uma infração, e gravíssima.

Como ficam aquelas pessoas que, como eu, fazem uso de medicamentos homeopáticos que contêm álcool?
George Grumann, Porto Alegre
Eduardo de Carvalho, especialista de uma empresa que produz um dos equipamentos utilizados na detecção dos níveis de consumo de álcool, diz que um medicamento ou um bombom com licor pode conter em torno de 0,15 grama de álcool por litro de sangue. Nesses casos, o indicado é o motorista explicar a situação para o agente de trânsito e solicitar a repetição do teste em 10 ou 15 minutos. Assim, somente quantidades maiores de bebidas ficam na circulação e os efeitos do bombom de licor ou medicamento não seriam mais percebidos pelo segundo teste.

Caso uma pessoa coma uma sobremesa que contenha vinho, como sagu, ou tenha tomado algum tipo de medicamento com álcool, poderá ser constatada alguma dosagem de álcool nos exames de bafômetro? Se der positivo, essa pessoa poderá ser presa?
Rafael Martins Duarte Duarte, Pelotas
Qualquer alimento ou medicamento que contenha álcool poderá ser identificado pelo bafômetro. Por causa disso, a nova legislação determina a necessidade de disciplinar margens de tolerância para esses casos específicos. Isso ainda vai ser feito. Para o período de indefinição, vale um decreto que permite aos motoristas, por enquanto, apresentar até 0,2 g de álcool por litro de sangue. Isso é o equivalente a um cálice de vinho para uma pessoa de 80 quilos.

Os efeitos do álcool são iguais para todas as pessoas?
Não. Cada organismo responde de uma forma diferente ao álcool. Conforme o professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da PUCRS Pedro Eugênio Ferreira, os efeitos do álcool mudam de acordo com o organismo de cada pessoa. Uma pessoa pode ter bebido quatro latas de cerveja e não apresentar nada. Outra que consumiu só uma lata pode estar complemente alterada.

Os efeitos do álcool no organismo podem variar conforme o peso, a idade e o sexo?
Sim. As mulheres têm tolerância menor à bebida do que os homens. Idosos e adolescentes normalmente também são mais suscetíveis do que adultos. E efeito do álcool demora mais para aparecer em pessoas obesas.

O uso de medicamentos altera o efeito do álcool no organismo?
A ingestão de medicamentos pode influenciar o organismo, aumentando ou diminuindo as conseqüências do álcool para os sentidos.

A alimentação tem alguma influência sobre o grau de embriaguez?
Sim. Estômago vazio facilita a ação do álcool.

O que diz o texto da lei para o consumo de bebidas na zona urbana?
Rogério de Souza, Porto Alegre
Com a nova medida, os estabelecimentos comerciais localizados nos trechos urbanos das rodovias federais voltaram a ter permissão para vender bebidas alcoólicas e servi-las para seus clientes. Mas, caso o motorista seja flagrado com álcool no organismo, não escapará do rigor da lei. A legislação proíbe condutores que consumiram qualquer quantia de bebida tanto em ruas, avenidas e rodovias urbanas quanto em estradas rurais.

Esta nova lei será realmente fiscalizada e seguida com todo seu rigor?
Juliano de Oliveira, Porto Alegre
A medida não determina reforço na fiscalização, mas as polícias rodoviárias estadual e federal prometem multiplicar o número de bafômetros em ação.

Punições
Quando o condutor que bebeu álcool pode ser preso em flagrante?
Há duas situações diferentes. Uma delas é ao ser parado pela fiscalização. Nesse caso, quando houver comprovação por bafômetro ou exame de sangue de embriaguez acima de 0,6 grama de álcool por litro de sangue (equivalente a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar expelido dos pulmões). A outra situação é se houver acidente com vítima: basta que os agentes de fiscalização atestem indícios claros de embriaguez. Nesse caso, não é necessário o teste do bafômetro ou o exame de sangue para prender o motorista.

Se eu me recusar a passar pelo bafômetro, poderei ser preso?
Se apresentar sinais de embriaguez e caso se envolver em acidente com vítima, sim. Bastará o testemunho dos agentes de fiscalização. Se for apenas flagrado pela fiscalização, poderá ser conduzido a uma delegacia na qual o delegado tem a possibilidade ainda de solicitar um exame clínico. Isso não é suficiente para a decretação de prisão em flagrante, mas o testemunho dos agentes e o exame serão utilizados para confirmar as punições administrativas - multa de R$ 955 e abertura de processo de suspensão do direito de dirigir.

O motorista preso em flagrante será encaminhado ao presídio?
Depois de ser apresentado na delegacia, o condutor poderá pagar uma fiança estipulada pelo delegado (conforme a gravidade do caso) e ser liberado para responder ao processo em liberdade, poderá ser encaminhado à cadeia ou, se o delegado não encontrar razões para manter a prisão em flagrante, liberar o motorista para responder ao processo em liberdade.

Que ponto da lei prevê a prisão em flagrante?
A lei permite que, em caso de crime de menor potencial ofensivo (com pena de até dois anos), a prisão em flagrante seja substituída pela assinatura de um termo circunstanciado. A embriaguez acima do limite de 0,6 grama por litro de sangue leva à prisão em flagrante (mesmo que isso não esteja especificado na nova lei) por prever pena de até três anos de detenção - superior ao limite de dois anos para crimes de menor potencial ofensivo.

Se o bafômetro apontar álcool no meu exame por outro motivo que não bebida, posso ser preso?
Teoricamente, sim, principalmente nos casos de envolvimento em acidente, nos quais qualquer nível de álcool é suficiente para incorrer em crime. Mas, conforme o titular da Delegacia de Delitos de Trânsito, Gilberto Almeida Montenegro, a comprovação de que circunstâncias especiais influenciaram o resultado do bafômetro (como uma determinada medicação, por exemplo) deve ser levada em consideração no momento de confirmar ou não uma prisão em flagrante na delegacia.

Quem é flagrado embriagado perde imediatamente o direito de dirigir?
Não. Na prática, os agentes de fiscalização recolhem temporariamente o documento de habilitação. Ele costuma ser devolvido depois de o motorista recuperar a sobriedade. Para ser suspenso o direito de dirigir, a autuação deve ser confirmada, o que permite recursos. Posteriormente, deve ser aberto um processo pelo órgão de expedição da habilitação (Detran) em que também há possibilidade de recursos. A suspensão pode levar quase um ano para ser confirmada.

Em caso de embriaguez do condutor, o carro será obrigatoriamente recolhido?
A apreensão do veículo não é uma pena administrativa prevista nesses casos. O que ocorre é que, como o motorista não está em condições de guiar devido à intoxicação pelo álcool, o automóvel tem de ser recolhido para um depósito. Se alguém devidamente habilitado e em condições de guiar se apresentar para dirigi-lo com permissão do proprietário, pode levar o carro imediatamente.

E se o condutor alcoolizado não tiver carteira de motorista, qual a punição?
Como não pode ter o direito de dirigir suspenso, as punições administrativas serão multa de R$ 955 emitida em seu nome e apreensão do veículo. Se o bafômetro apontar mais de 0,6 grama de álcool por litro de sangue ou se ele envolver em acidente com vítima, mesmo que não se submeta ao bafômetro, estará sujeito à prisão em flagrante e ao processo penal. Se não for o proprietário do veículo, o dono que lhe permitiu circular na via será autuado por infração gravíssima e pagará multa.

É possível comprar um bafômetro para avaliar minha condição?
Embora não seja comum, a legislação não impede que uma pessoa adquira um bafômetro. Modelos semelhantes aos usados por agentes de fiscalização, aferidos pelo Inmetro e homologados pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), podem sair por até R$ 8 mil incluindo máquina impressora e outros recursos. Alguns modelos são oferecidos na internet por cerca de R$ 500. Também há bafômetros descartáveis a um custo médio de R$ 10 cada. Indicam a presença de álcool por uma alteração de cor e podem ser usados apenas uma vez.

Clique abaixo e confira abaixo uma simulação que mostra os efeitos do álcool sobre o organismo do motorista:

Notícias Relacionadas

24/06/2008 | 03h46

Rio Grande do Sul larga na frente na repressão a motoristas

Até segunda, Estado concentrou 31,6% das prisões por embriaguez nas estradas federais

23/06/2008 | 03h57

Prisões por embriaguez vão gerar confusão, diz PRF

Entrevista: Alessandro Castro, Chefe da Comunicação Social do órgão

23/06/2008 | 03h52

Polícia teve ajuda da população na fiscalização a motoristas embriagados

Em pelo menos dois casos, condutores avisaram sobre carros andando em ziguezague

22/06/2008 | 21h49

Lei de tolerância zero ao álcool prende pelo menos 45 no RS

Muitos motoristas detidos pagaram fiança para responder processo criminal em liberdade

21/06/2008 | 05h39

Recusar o bafômetro é infração gravíssima

Nova legislação prevê multa de R$ 955 e suspensão do direito de dirigir por um ano a quem se negar a fazer o teste

19/06/2008 | 05h01

Lula deve sancionar lei de tolerância zero ao álcool

Quem tomar qualquer dose da bebida alcoólica e dirigir pode ser multado

Comentar esta matéria Comentários (40)

JOEL FERNANDO DA SILVA RAMIRES

É BRINCADEIRA COM O NOSSO POVO! SOU TOTALMENTE A FAVOR DA LEI DE TOLERÂNCIA ZERO, POIS SALVA VIDAS TA COMPROVADO! NÃO ENTENDO OS QUE RECLAMAM, GARANTO SE UM FAMILIAR TIVESSE SIDO ATROPELADO POR UM DESSES IRRESPONSÁVEIS QUE BEBEM E SE ACHAM O MÁXIMO AO VOLANTE MUDARIAM AS OPINIÕES. NINGUEM TA PROIBIDO DE BEBER, SÓ NÃO PODE É DIRIGIR.

21/07/2008 | 14h48 Denunciar

Benevides

-Os fins justificam os meios? -A lei já proibia dirigir bêbado, dentro de parâmetros da ciência. Hoje nossos políticos, sem conhecimento técnicos estabelecem a tolerância zero. _Ainda há questão de "que niguem é obrigado a gerar prova contra a própria pessoa, que vai de encontro a obrigatoriedade de usar o bafômetro -(A solução é usar maconha, uma vez que não é crime o CONSUMO de maconha, ou dirigir sob efeito da maconha)

16/07/2008 | 22h32 Denunciar

Fernando

Acho que deveriam proibir também o uso de talheres de ferro, pois existem irresponsáveis que utilizam estes talheres para matar, deveriamos proibir também a carteira de motorista para menores de 30 pois a maioria dos acidentes por bebados são por pessoas nesta idade, isso mesmo retirando a bebida não vai mudar pois um senhor de 40 anos não tira racha não corre para impressionar os amigos e coisas deste tipo e as diversas vezes que ouvi alguem dizer que bateu o carrio foram pessoas menores de 30.

11/07/2008 | 16h26 Denunciar

Sirlon Vieira do Nascimento

A denominação de "LEI SECA" não deveria ser usada pelos meios de comunicação, pois na verdade está lei não proibe nenhuma pessoa de ingerir qualquer tipo de bebida alcoolica. Mas porém, resguarda o direito de punir aqueles irresponsaveis que assume a direção de um veículo após ter bebido, colocando em risco a vida de varias pessoas inocentes. Sirlon Vieira

09/07/2008 | 08h41 Denunciar

Júlio Freitas

Acho interessante quando alguém diz: e as pessoas que bebem socialmente como ficam? eu gostaria de acrescentar! e as familias que ficam sem seus filhos... que morrem atropelados por quem bebe socialmente??? Tolerancia zero sim ...e menos familias destruidas pelo alcool..

06/07/2008 | 17h03 Denunciar

vilano barros da fonseca

querer fazer desse país um lugar sério em "15 minutos" chega a ser lúdico.nossos plenários estão cheios de políticos que voltam do almoço semi- embriagados para legislar em causa propria, e nunca "sopraram" o bafômetro da moralidade.Um cidadão que almoça com a família num fim de semana e toma uma lata de cerveja, pode correr o risco de ser constrangido e preso na frente da sua prole, isso é uma verdadeira PATIFARIA, e faz duo com a lei do desarmamento que desarmou o cidadão e armou o bandido.

03/07/2008 | 23h02 Denunciar

Denise Scheibe

O rigor excessivo da nova lei,ao invés de solucionar o problema está criando outro,pois o legislador ao enquadrar no mesmo regramento as pessoas que bebem moderadamente com aquelas que abusam do alcool incorreu em um erro mto grande!Outrossim,imputar ao condutor de veículo que se recusou a fazer o teste do bafômetro as mesmas sanções previstas para o condutor flagrado com alcool no organismo,jurídicamente é coercivo e inconstitucional por configurar flagrante ato ilicito para produção de prova!!

03/07/2008 | 15h51 Denunciar

Denise Scheibe

Ao analisar a nova lei que proibe a ingestão de bebida alcoolica,pode-se depreender que:A Lei é arbitrária,abusiva e manifestamente inconstitucional,uma vez que,fere de morte os direitos e garantias fundamentais dos individuos,insculpidos pela Carta Magna(Lei Mair que rege a nação brasileira),dentre os quais se destacam os seguintes:"Art. 5º,LVI-são inadmissíveis,no processo,as provas obtidas por meios ilícitos";LVII-ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença

03/07/2008 | 14h33 Denunciar

vitor emanuel vedovato

O problema busca uma solução.Quero ver quem explica. A lei é muito facil de se fazer, o dificil é sua aplicabilidade. O país esta aquecido economicamente e as pessoas estão bebendo muito. Aqui fica o meu protesto contra esta lei, mas digas de passagens não posso só protestar vou contribuir com a minha opinião e tambem a minha idéia. O nosso presidente que toma seus vinhos importados eu sugiro que compre um cavalo ou uma bicicleta para sua locomoção,seria um exemplo civico aos brasileiros.

03/07/2008 | 11h51 Denunciar

Aristides Lira de Lima

A matéria em questão,causará no mundo juridico,varias opiniões a cerca da verdadeira eficácia da lei.No mundo juridico, observa-se a intenção do autor do fato, para que se possa dizer se houve dolo ou culpa em sua conduta. A nova lei, disvirtua totalmente a conduta do autor dos fatos , pois, inputa-lhe conduta a qual este não desejáva. A maioria dos acidentes de transito, ocorre por impericia ou negligência do condutor e não por sua vontade. Pergunto, o preterdolo, não será visto pelo juíz?

03/07/2008 | 11h50 Denunciar

simone

Gostaria de fazer uma pergunta?Meu marido dirige a 25 anos e sempre bebeu,e nunca nem se quer arranhou o carro,quem dirá bater,eu por conta dessa lei maldita tenho q ficar sem beber pra podermos sair a noite.Tirei minha habilitação a 6 meses,ai eu pergunto?Quem é q corre mais risco de vir a sofrer um acidente,uma pessoa q bebe porem experiente ou,uma pessoa q tem pouca pratica e está morta de sono?Não bebi mas estou morta de sono.Pq o fato é q a bebida no meu caso me deixa acordada a noite toda

02/07/2008 | 20h12 Denunciar

Felipe Hexsel

Essa lei hipócrita só serve para uma coisa: arrecadar. Para salvar vidas bastaria fiscalização eficaz da lei antiga. Ninguém deve dirigir bêbado. Mas quantas estatísticas existem sobre mortes no trânsito causadas por quem bebeu menos de 0,6g/L (antigo limite)? E porque o governo não leva remédios às comunidades carentes e diminui as filas dos hospitais e postos de saúde? Ninguém morre por causa disso? PORQUE NÃO OBRIGA A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS?? QUANTAS VIDAS SERIAM SALVAS? É indignante...

01/07/2008 | 19h50 Denunciar

Daniel Nilo

Seria uma saída se por exemplo, alguém com baixíssimo nível de álcool for parado pelos guardas e se negar a fazer o bafômetro e dizer que deseja se submeter ao exame clínico? Há diferença entre o teste do bafômetro e o clínico?

01/07/2008 | 14h24 Denunciar

Pedro

Bafômetro nos políticos. Zero corrupção, zero desvio de verbas públicas, zero violência, e tantos outros zeros. Que tal a lei Zero desvio de verbas públicas. Desvio até 0,3 centavos de real paga R$ 955,00. Desvio até 0, 6 centavos, é multado e preso. Que tal a Polícia Federal passar este bafômetro no Presidente Lula e nos políticos. Quem vai escapar? Só o bafômetro vai dizer. Este desvio de verbas públicas não somente atinge o pulmão da população, mas o corpo inteiro. Não deixa tonto, mata. Quanta população morre por causa de vocês políticos. Por isto BAFOMETRO NOS POLITICOS

01/07/2008 | 12h37 Denunciar

Paulo Derli

É preciso que os legisladores acompanhem os comentários aqui expostos. Sou afavor, os inresponsaveis do transito devem ser punidos e com rigor da lei. Mas julgar o sidadão brasileiro incapaz de tomar uma taça de vinho ou uma cerjeja, por favor! Vamos ver onde vai parar essa arrecadação, se a multa fosem um valor bem menor não teria tanta atenção das autoridades e dos "politicos" que os incapaz de tomar uma cerveja em um restaurane ou na casa de um amigo o elegeram! O objetivo esta claro.

01/07/2008 | 10h02 Denunciar

Ademir

Graças aos meios de comunicação, com seu sensacionalismo, e aos fabricantes de auto peças e montadores de veículos que justificam suas falhas, manipulando a opinião pública,dizendo que os motoristas são imprudentes, hoje sequer podemos dirigir até em casa após fazer um churrasco na casa de um amigo nos domingos. Parabéns por isso tudo.

30/06/2008 | 21h12 Denunciar

Pedro Silva Filho

Essa lei draconiana e imbecil vai deslanchar a corrupção no trânsito. É claro que alcoolatras e bebedos devem ser punidos, e com severidade. Mas castigar o cidadão porque bebeu dois ou tres copos de cerveja é pura estupidez.

30/06/2008 | 01h40 Denunciar

Alexandre Brasil Moreira

Eu, estou de acordo com a lei pois no Brasil infelizmente tem que haver rigor nas leis, para poder mudar algo que ameaça a vida de pessoas inocentes como um veículo nas mãos de um cidadão embriagado, a minha pergunta é: como devemos ter a certeza que todos os bafômetros estarão aferidos pelo órgão fiscalizador? quem nos garante que não vai haver abuso de autoridade nas abordagens realizada pelos fiscais de trânsito e PMs? Assim quero acreditar que seja uma solução positiva e de consciência.

29/06/2008 | 22h54 Denunciar

Eduardo W Stepien

até agora só se ouve comentar sobre o que aconteçe se beber mas nada se ouve sobre os agentes de transito ou demais utilizarem equipamento descartavel, evitando assim contaminação, uma pessoa com hepatite transmite através da saliva, então o proximo a utilizar certamente se contaminará, o que é feito para evitar a contaminação? existe algo na legislação que oriente e alguém que fiscalize isso?

29/06/2008 | 21h19 Denunciar

Laryssa

Deveriam colocar transporte público de madrugada então já que não se pode beber nenhum gole e dirigir, mesmo porque, tem muita gente que não tem dinheiro para ficar pagando táxi e mora sozinho sem ninguém que não bebe para buscar em festas open bar ou em bares por exemplo, pois ninguém vai nesses lugares para tomar suco, refrigerante e muito menos água! Se tiver um meio de transporte 24hs concerteza os acidentes irão diminuir, não haverá carros apreendidos e nem dinheiro jogado fora em multas!

29/06/2008 | 16h04 Denunciar

Dante

gOSTARIA MUITO DE ACREDITAR NESTA LEI, MAS QUEM AI QUER JOGAR QUE A TAL LEI NÃO PEGA?? COISAS DE PAÍS DE TERCEIRO MUNDO.

29/06/2008 | 11h58 Denunciar

leni

por favor... vamos deixar de ser hipócritas...tolerância zero...no brasil cheio de falcatruas e jeitinhos... entrar na radicalidade agora???cheio de politicos sem vergonhas... esse dinheiro vai pra quem???pra eles terem moradia ,viagens,e seguros funerais, enquanto a maioria dos brasileiros não ganha o salário minimo...cpi ,pizza ... por favor tenha dó...multar quando pegar alguém ,que tenha pelo menos alguma tolerância ... não tolerancia zero...não sou a favor de bebidas livres... hipocrisia

29/06/2008 | 00h48 Denunciar

Omar Schmidt

Pergunto: Ao invés de tolerância zero, não seria melhor a aplicação dos 0,5 toleráveis pela legislação européia... mas com fiscalização! Esta intolerância absurda eu vejo como mais uma forma de arrecadação! E, mais, como mais um passo no sentido de implantar um estado totalitário stalinista... Primeiro desarmaram os bons cidadãos e, embora a violência tenha aumentado, não nos devolveram o direito à auto-defesa... Acorda povo brasileiro! Será que somos mais inteligentes que os europeus?

28/06/2008 | 23h23 Denunciar

Paulo Artur Rodrigues

Tanta polêmica! Bebeu, não dirija! Se vai beber, não dirija! Mais simples que 2+2=4, na Aritmética. Evitamos,em primeiro, uma enxurrada de perguntas e desuclpas tolas. E poupamos vidas.Pequena história ilustrativa-ao abordar motorista de um caminhão,ele não desceu do veículo-a Lei da Gravidade puxou-o.E ainda afirmava, com juramentos,que não bebera.Beiramos o descontrole emocional perante a insensatez do condutor.No caso,antes da lai seca, ele foi preso em flagrante por risco à vida de 3ºs.

28/06/2008 | 19h16 Denunciar

carlos fernando de souza silva

Parabéns aos legisladores, finalmente uma iniciativa que deve ser festejada. Quantos tivera de morrer, quantas famílias despedaçadas por motoristas inconsequentes. O país começa a ficar sério, chega de jeitinho brasileiro, é a Lei, vamos cumprir.

28/06/2008 | 12h30 Denunciar

Daniel Vicente Rampelotto

Isso é revoltante!!! O trânsito precisa de maior controle? sim, precisa. Agora, utilizar antiséptico bucal e correr risco de prisão é no mínimo...bom, melhor deixar esta conclusão para os desprovidos de inteligência que aprovaram esta lei. Cadê a tolerância zero contra a violência urbana? O que é mais crítico no Brasil? O que você teme mais? Atravessar a cidade de carro ou andar a noite? A resposta a essa pergunta indica a prioridade. No meu caso, prefero pena de morte do que essa palhaçada!!

27/06/2008 | 22h01 Denunciar

Eduardo Teixeira Alves

Pelo valor da infração, nota-se que o objetivo principal e arrecadação. A educação nas escolas do País, previsto pela(Lei 9.503, de 23/09/97)), não foi regulamentada.Os recursos do Funset, 5% das multas arrecadas, para aplicação de programas educativos e de prevenção de acidentes fica bloqueado. “Se houvesse uma política educacional desde 1998, não chegariamos a medidas tão radicais. O trânsito em qualquer lugar do mundo só funciona quando existe: Educação, Engenharia e Fiscalização.

27/06/2008 | 14h58 Denunciar

Nathalia

Aos motoristas bebados tolerancia zero, isso pq rende lucros com as multas assim a fiscalização é alta, nao mais do que certo, porém outros crimes tão ou mais importantes que esse que afeta a toda a população passam impunes. As leis no nosso país existem e servem para serem respeitada e para isso é necessaria uma fiscalização eficaz.

27/06/2008 | 14h42 Denunciar

joelson

A muito anseava essa lei. A tantos loucos nas ruas das nossas cidades, que só com tolerância zero para amenizar a situação. Eu só sinto por uma coisa, alguns acharem ruim e nossas autoridades não aplicarem a lei como deve ser. Que todos esses irresponsáveis sejam presos!

27/06/2008 | 13h49 Denunciar

fabricio saores

Por que eles então proibem todas as formas de bebidas alcóolicas? Começando pela grandes empresas de cerveja etc..

27/06/2008 | 11h54 Denunciar

Joao

O Brasil é uma piada, essas são as leis que eles ficam invesntando. Coisas não pensadas geram dúvidas entre a população. E o pior ´q eu isso vai desencadear mais uma operação caça-niqueis pra depois eles gastarem nas eleicoes! Uma vergonha! Sai de carro, é preso, sai a pé é assaltado! Brasil, grande país!

27/06/2008 | 10h14 Denunciar

caroline

Gostaria de saber quem é o autor das respostas aos questionamentos.

26/06/2008 | 17h14 Denunciar

João Carlos

Quero saber como fica a situação dos detentores do poder (juízes, militares, políticos, etc.), quando forem abordados pela polícia e se constatar que os mesmos estão alcoolizados, a lei vai ser cumprida?

25/06/2008 | 15h40 Denunciar

Ricardo Vieira Dalbem

O grande problema dessa lei é que aqui neste País não existe transporte publico noturno!!! Pois se eu quero sair de carro, tomar umas duas cervejinhas e voltar, vou gastar uns 10 reais entre combustivel e bebida... se tiver que voltar de taxi, ja fica nuns 30 e isso inviabiliza muitas vezes... QUE BOTEM ONIBUS NOTURNOS NAS CIDADES ENTAO!

25/06/2008 | 11h20 Denunciar

gilberto doebber

sera que o governo vai ter um controle mais rigoroso tambem com os taxistas. porque se tu sai anoite e pega um taxi muitas vezes e vergonhoso o estado deles.

25/06/2008 | 09h40 Denunciar

CARLA WINCKLER

na verdade esse comentario é uma pergunta... se eu sair no sabado e tomar bastante cerveja por exemplo, de taxi é claro, e no domingo, pela a manha sair de carro, e se eu for abordada numa blits, ainda vai ter alcool no meu sangue.... a possibilidades de eu ir pressa e tudo, como eu faço?

25/06/2008 | 08h48 Denunciar

Leandro D.

Acho que em uma unica abordagem, é possivel um sujeito esperto e com um bom advogado, tirar uma boa grana do governo com essa lei, pois eles se preocuparam em criar uma lei, sem ver quais as outras que seriam infrigidas, isso é uma boa coisa do excesso de legislação brasileira, sempre tem uma brecha, nesse caso varias.

25/06/2008 | 08h24 Denunciar

marcos

se vc se preocupa com isso, assim como eu, VC NAUM BEBE PARA SOCORRER ALGUEM Q PASSA MAL... ou entao vc socorre, mas leva uma multa mesmo assim. se minha mae ta morrendo, por algum motivo, eu ate passo o sinal VERMELHO, mas naum é por isso q serei PERDOADO pela INFRACAO q cometi e PRONTO"!

25/06/2008 | 03h47 Denunciar

Jardel Nilton Siqueira

Excelente iniciativa parlamentar, agora falta o executivo da União e de todas as Unidades Federativas adquirirem equipamentos para os agentes executarem a lei. Quanto ao comentário de se todos os motoristas estiverem alcoolizados é preferivel esperar o SOCORRO. Realmente nos parece a melhor opção, já embriagado agravaria ainda mais a situação. Na ansia de socorrer uma vítima poderiamos causar várias. E temos conciência disso, não é caro colega. E é por isso que agora é crime doloso.

25/06/2008 | 02h39 Denunciar

sergio luis neris da silveira

Queria saber se algum familiar passar mal em uma festa e todos os motoristas tiverem, tomado um copo de cerveja, devemos esperar a samu que leva horas ou socorremos e somos presos, e se não prestamos socorro somos indiciado por omissão de socorro.

24/06/2008 | 22h24 Denunciar

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesInter mantém apenas três jogadores do time titular do Brasileirão de 2013 http://t.co/M2k5U5Z5Hz http://t.co/ZmmWpjAW9dhá 1 horaRetweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesGrêmio começa o Brasileirão com oito mudanças em relação à estreia de 2013 http://t.co/ifuH63a21p http://t.co/4M9PhR0xrrhá 2 horas Retweet
clicRBS
Nova busca - outros