Chega de sangue20/02/2014 | 19h35

Parlamento ucraniano aprova resolução pelo fim da violência

Medida ainda depende do presidente Viktor Yanukovich, que pode ou não aprová-la

Enviar para um amigo

O Parlamento da Ucrânia aprovou nessa quinta-feira uma resolução que prevê a retirada de policiais das ruas, a soltura dos manifestantes presos, o fim do uso de armas contra civis, a indenização das famílias de opositores mortos além de reafirmar que só essa Casa pode decretar estado de emergência e desautorizar as medidas antiterror.

A medida de forte simbolismo joga um imenso peso político sobre presidente Viktor Yanukovich, que pode endossar ou não a resolução.

Dezenas de deputados governistas não apareceram, mas cerca de 30 que estiveram na sessão votaram pela aprovação da resolução. O quórum mínimo de 226 foi alcançado, com 239 parlamentares presentes. O Rada, o parlamento ucraniano, tem 442 cadeiras.

O vice-presidente do Parlamento, Ruslan Koshulinsky, presidiu a sessão. Há rumores de que Vladimir Rybak, presidente e membro do Partido das Regiões ( Yanokovich) está desaparecido.

A notícia foi imediatamente celebrada pelo Embaixador dos Estados Unidos na Ucrânia, Geoffrey Pyatt.

— Parabéns aqueles de todos os partidos que votaram na Rada e demonstraram que a as instituições democráticas da Ucrânia funcionam — escreveu ele, mencionando a opositora Lesya Orobets.

Além de criar expectativa sobre o que fará Yanukovich, a reoslução também joga dúvida sobre qual será a reação dos opositores. Se eles vão, por exemplo, deixar as ruas.

Mais cedo o primeiro-ministro polonês Donald Tusk afirmou que Yanukovich concordara em convocar eleições antecipadas e reformar a Constituição do país. Ele teria aceito essa revindicação dos manifestantes durante uma rodada de negociações com os ministros das Relações Exteriores da Alemanha, Polônia e França, que chegaram ao país nessa quinta-feira.

Veja o que foi decidido:

1) As tropas devem voltar aos quartéis

2) É proibido usar armas contra os cidadãos

3) O fim das operações antiterrorismo

4) Todas as mortes e outras agressões devem ser investigadas e os culpados, levados à corte

5) Todas as vítimas devem receber apoio e compensação, assim como suas famílias

6) Todos os ativistas devem ser soltos e todos os casos, fechados

7) Todo o bloqueio de trânsito e outros transportes públicos deve ser encerrado

8) Apenas o parlamento pode declarar Estado de emergência

Yanukovich se dispõe a antecipar eleições

O presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, declarou nesta quinta-feira aos enviados da União Europeia que está disposto a realizar eleições presidenciais e parlamentares antecipadas em 2014, afirmou em Kiev o primeiro-ministro polonês, Donald Tusk.

– Foi decidido com Yanukovich a realização de eleições presidenciais e parlamentares este ano e a formação de um governo de união nacional nos próximos dez dias –declarou à imprensa Tusk, após uma reunião em Kiev dos ministros das Relações Exteriores de Polônia, França e Alemanha com o mandatário ucraniano.

O documento discutido com o governo de Kiev pelos ministros da UE oferece, "possivelmente, alguma esperança de romper o ciclo de violência", acrescentou o diplomata.

– Mas a experiência nos mostrou que os compromissos assumidos pela administração ucraniana raramente são respeitados – acrescentou Tusk.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraBom dia! Tenham um ótimo sábado!há 53 minutosRetweet
  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraSob chuva, Hamilton conquista pole do GP da China: http://t.co/15GAhcEzXbhá 1 horaRetweet
clicRBS
Nova busca - outros