A queda do apartheid05/12/2013 | 20h02

"Madiba nos libertou": o fim da segregação em seu início

Editora de ZH que viveu na África do Sul à época do final do regime de discriminação relata o clima entre o povo

Enviar para um amigo
"Madiba nos libertou": o fim da segregação em seu início Siphiwe Sibeko/AFP
Foto: Siphiwe Sibeko / AFP

Desembarquei na África do Sul em julho de 1994, dois meses após a posse de Nelson Mandela na presidência. Casas confortáveis em bairros tranquilos, jardins bem cuidados e passeios para observar animais selvagens faziam parte do universo das cinco famílias brancas de ascendência britânica que me hospedaram em Springs, cidade industrial e mineradora, distante 50 quilômetros de Joanesburgo.

Os efeitos da eleição de Mandela chegavam aos poucos, sem sobressaltos. Foram modificados o hino, a bandeira e nomes de províncias. As placas de trânsito já estavam traduzidas para meia dúzia de idiomas: além do inglês e do africâner — uma adaptação do holandês colonial —, o xhosa, o zulu e outras línguas nativas. Naquele momento, os negros tinham empregos como jardineiros, domésticas, mineiros e operários. Hoje, são eles os que ainda fazem esses trabalhos, mas também ocupam a maioria absoluta das funções públicas e fazem crescer a classe média.


Na época, havia poucos negros circulando nas áreas onde antes havia restrições a sua presença. Aglomeravam-se em guetos pobres — que se expandiram e se misturaram à cidade de lá para cá. Como eram poucos os que tinham carros, eles se esmagavam em vans — então o único tipo de transporte público —, desaconselhadas para alguém como eu, com mais cara de bôer do que brasileira. Andei e nada me aconteceu.

Leia mais:
Morte de Nelson Mandela repercute nas redes sociais
William Gumede: o milagre sul-africano
Mandela: o retrato de uma era nas telas
David Coimbra: Morre o heroi da tolerância

"Ele não pertence a nós, ele pertence à História", diz Obama

Até então, muitas escolas privadas se mantinham alheias às transformações no país, diferentemente de colégios públicos que já deixavam para trás a segregação. Numa manhã, em uma sala de aula na Hoërskool Dr. Johan Jurgens, onde cursei o final do Ensino Médio, estávamos sentados eu e cerca de 20 alunos, todos uniformizados, com gravata, saia 10 cm acima do joelho e cabelo preso (ou cortado de modo que não ultrapassasse o colarinho). Os professores eram bilíngues, mas boa parte ali tinha como língua materna o africâner. Uma amiga traduziu um comentário do professor de biologia que fez um grupinho torcer o nariz:

— Teremos os três primeiros alunos negros na escola no ano que vem. Agora, é obrigatório.

— E o que as meninas ali disseram? — perguntei.

— Que nojo — descreveu.

Brancos, especialmente africâneres que também não se misturavam com ingleses, temiam a explosão de uma maioria que desde 1948 era contida à força. Mesmo assim, havia um clima generalizado de aceitação, talvez de resignação, diante da figura de Mandela. Já os negros estavam em festa.

— Madiba nos libertou. Nossa vida vai melhorar — repetia Lala, uma sorridente diarista.

Passados 18 anos, guardo a imagem daqueles primeiros alunos que destoavam dos demais, lanchando, deslocados, no recreio. Hoje, porém, vejo fotos bem diferentes da escola. Os uniformes continuam os mesmos, mas todos estão visivelmente mais à vontade.


Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesAdversário do Inter na Copa do Brasil, Cuiabá foca na série C do Brasileirão http://t.co/IJH9NeQEsB http://t.co/7oVLIyxIUVhá 4 horas Retweet
  • zh_esportes

    zh_esportes

    zhEsportesCuiabá vence o Barbalha e será o adversário do Inter na Copa do Brasil http://t.co/ZzbAiSpRtFhá 4 horas Retweet
clicRBS
Nova busca - outros