Repressão sangrenta28/02/2012 | 15h35

Conflitos na Síria deixaram mais de 7,5 mil mortos desde março, segundo a ONU

Número excede os 100 civis por dia, incluindo mulheres e crianças, afirmou funcionário da organização

Enviar para um amigo
Conflitos na Síria deixaram mais de 7,5 mil mortos desde março, segundo a ONU Gianluigi Guercia/AFP
Integrante do Exército de Libertação da Síria fotografado nesta terça no velório de outro combatente Foto: Gianluigi Guercia / AFP

O número de vítimas da repressão na Síria é de "muito mais de 7.500 mortos", declarou nesta terça-feira um alto funcionário da ONU.

— Agora há informes confiáveis de que o número de mortos excede os 100 civis por dia, incluindo muitas mulheres e crianças. O total estaria efetivamente acima dos 7.500 — disse o funcionário.

Observadores sírios de direitos humanos afirmaram que mais de 7.600 pessoas morreram nos últimos 11 meses, mas este é o maior valor dado até agora pelas Nações Unidas.

Lynn Pascoe, secretário-geral adjunto da ONU para Assuntos Políticos, admitiu, contudo, no Conselho de Segurança, que as Nações Unidas não podiam "dar cifras precisas" do número de mortos durante as manifestações opositoras na Síria. Pascoe afirmou que o fracasso da comunidade internacional para "deter o massacre" incentivava o governo sírio a acreditar que podia agir com impunidade.

— Infelizmente, a comunidade internacional fracassou em sua obrigação de deter o massacre e as ações e inações parecem ter fomentado no regime a crença de que estava impune para realizar a destruição sem sentido de seus cidadãos — disse Pascoe em uma conferência sobre o Oriente Médio diante do Conselho de Segurança da ONU.

Rússia e China vetaram duas resoluções do Conselho de Segurança da ONU que pretendiam condenar a violência da Síria, mas diplomatas afirmaram que as negociações podem levar em breve a uma nova resolução exigindo o acesso humanitário à Síria.

Cerca de 25 mil refugiados, segundo registros da ONU, encontram-se em países limítrofes da Síria e entre 100 e 200 mil estão desabrigados dentro do país, acrescentou Pascoe.

Brasil mantém embaixada

O embaixador do Brasil na Síria, Edgard Antonio Casciano, deve ser mantido em Damasco como sinalização que o governo brasileiro está disposto a cooperar com o diálogo em busca do fim do impasse no país. A exemplo da Turquia, que comanda as negociações de paz na região, o Brasil vai manter a representação diplomática na Síria para dar suporte aos cerca de 3 mil brasileiros que vivem no país.

Ao longo dos últimos dias, os governos dos Estados Unidos, da França, da Itália, do Reino Unido e do Egito convocaram seus embaixadores na Síria e determinaram que deixassem Damasco. O governo brasileiro acompanha de perto as negociações para encerrar o impasse na Síria.

Notícias Relacionadas

Pressão 27/02/2012 | 11h39

União Europeia impõe novas sanções à Síria

Chanceleres querem forçar o regime de Bashar Al Assad a suspender ações repressivas e conter onda de violência no país

Ação criminosa 24/02/2012 | 08h56

Brasileiro que chefia comissão da ONU acusa o governo sírio de promover massacre no país

Diplomata Paulo Sérgio Pinheiro investiga responsabilidade do regime de Bashar al-Assad em onda de violência

Ameaças na região 19/02/2012 | 19h27

Primeiro-ministro israelense discute crise iraniana com conselheiro de Obama

Há tensões crescentes entre Israel e o Irã em razão do programa nuclear iraniano

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga os perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraCorrente do bem: após crime brutal, corrente virtual defende criação de Lei Bernardo http://t.co/ltMlTNPvKBhá 50 minutosRetweet
  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraSem sede, IGP tem mais de 3,4 mil perícias atrasadas http://t.co/TyGKXMDUZahá 1 horaRetweet
clicRBS
Nova busca - outros