Sem novidade29/01/2014 | 12h23Atualizada em 29/01/2014 | 12h51

Sem negociação, greve será mantida, afirmam rodoviários de Porto Alegre

Em conversa com a imprensa, sindicato e Força Sindical afirmaram que a Prefeitura rompeu acordo ao entrar na Justiça

Enviar para um amigo
Sem negociação, greve será mantida, afirmam rodoviários de Porto Alegre Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Júlio Gamaliel Pires e Cláudio Corrêa participaram de entrevista coletiva na Força Sindical Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Representantes do sindicato dos rodoviários e da Força Sindical conversaram com a imprensa na manhã desta quarta-feira. Disseram que não foram procurados para conversar pela patronal até agora e que, se isso não acontecer a greve será mantida.

Leia mais
Dependo dos rodoviários e dos empresários, afirma Fortunati
Está todo mundo perdido, afirma motorista de lotação
Funcionária perde segundo dia de trabalho devido a greve
Sindicato pede a rodoviários que cumpram decisão da Justiça

Há apenas uma reunião marcada para amanhã, às 14h. O diretor da força sindical Cláudio Corrêa disse que os trabalhadores estão mobilizados em reação à ação da prefeitura.

— Nós cumprimos com o nosso acordo que era manter os 30% nas ruas. Não fomos nós que rompemos, foi a prefeitura que rompeu entrando na justiça e pedindo os 70% - disse Cláudio.

Júlio gamaliel, presidente do Sindicato dos Rodoviários disse ainda que não está preocupado com o valor da tarifa, que isso é "coisa da patronal e da prefeitura", e que estão há 24 horas aguardando serem chamados para um acordo.

Sobre a multa à qual estão sujeitos, pretendem recorrer quando forem notificados, o que ainda não aconteceu.

— Esta multa terá que ser paga pela prefeitura. Foi ela que descumpriu o acordo.

Eles também criticaram a atitude de liberar o transporte de passageiros em pé em lotação. Para Cláudio, há um desrespeito à legislação que deveria ser fiscalizado e não liberado.

— Se nada mudar, se não tivermos uma proposta, a greve continuará — concluiu Gamaliel



Paralisação

A ameaça de paralisação geral dos rodoviários foi posta em prática: nenhum ônibus circula pelas ruas da Capital desde o início da manhã desta quarta-feira. Em greve desde segunda-feira, os 30% da frota que rodaram até terça-feira foram retirados de circulação. Piquetes formados em frente às empresas impedem que os ônibus circulem.

Reivindicações

A greve foi definida em assembleia da categoria na última quinta-feira. Os rodoviários querem 14% de aumento, reajuste do vale-alimentação de R$ 16 para R$ 20 e manutenção do plano de saúde, sem desconto no salário. Porém, as empresas oferecem 5,56% (reposição integral da inflação no ano, segundo o INPC) e querem coparticipação financeira dos empregados no plano de saúde.

Acompanhe a cobertura sobre a greve*:

* Este espaço é moderado e destinado à troca de informações sobre a situação do transporte coletivo em Porto Alegre. Não serão liberados comentários opinativos nem será incentivado o debate.



Siga @transitozh no Twitter

clicRBS
Nova busca - outros