Sem transporte29/01/2014 | 07h58Atualizada em 29/01/2014 | 09h28

Com medo de multa, sindicato pede a rodoviários que cumpram decisão da Justiça

Em liminar, TRT decidiu que 70% dos coletivos deveriam rodar no horário de pico, e 30% no restante

Enviar para um amigo
Com medo de multa, sindicato pede a rodoviários que cumpram decisão da Justiça Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Somente ônibus metropolitanos no Terminal Triângulo de Porto Alegre Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

O presidente do sindicato dos rodoviários esteve em frente à garagem da Nortran por volta das 7h para tentar fazer com que os funcionários liberassem a quantidade de ônibus que determina por liminar da Justiça.

Leia mais
Rodoviários decretam greve geral após reunião sem acordo

Em nota, ATP e Sindicato das Empresas rebatem afirmações de Fortunati
É uma "greve combinada", afirma Fortunati sobre paralisação
Declaração de Fortunati é falta de respeito, afirma líder de rodoviários
Lotações estão autorizados a transportar passageiros em pé

Vaiado pela maior parte dos trabalhadores que fazem piquete em frente a empresa, de onde nenhum ônibus saiu até agora.  

— Pedi que pelo menos os 30% voltassem, expliquei que podemos tomar multa, mas estão todos mobilizados, não querem voltar. Também expliquei que o Tribunal (Regional do Trabalho) pode tomar uma atitude, prevista em lei, de autorização às empresas para contratarem emergencialmente. Não tem o que fazer, daqui a pouco vou apanhar — disse Júlio Gamaliel.

Um motorista de 43 anos que não quis se identificar disse que é justamente pela liminar da justiça que eles decidiram parar e que eles só saem da frente da empresa quando alguma decisão for tomada.

— Sem proposta, não voltamos. Não é pelo sindicato e também não tem nada a ver com o patrão como andam falando. Fazemos isso é pelo funcionário mesmo — disse o motorista.

O presidente disse que passaria em frente a outras garagens fazendo o mesmo apelo. Às 10h30min deve ocorrer uma coletiva de imprensa, na sede da Força Sindical em Porto Alegre.

Totalmente parados

A ameaça de paralisação geral dos rodoviários foi posta em prática: nenhum ônibus circula pelas ruas da Capital desde o início da manhã desta quarta-feira. Em greve desde segunda-feira, os 30% da frota que rodaram até terça-feira foram retirados de circulação. Piquetes formados em frente às empresas impedem que os ônibus circulem.

O anúncio da greve foi feito no final da tarde de terça pelo Sindicato dos Rodoviários da Capital. Em reunião com empresários, Ministério Público, Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e Justiça no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a categoria aceitou cumprir a determinação da Justiça de colocar 70% da frota nas ruas durante o horário de pico. Após receber pressão dos sindicalistas, a categoria voltou atrás e decretou a paralisação.

Acompanhe a cobertura sobre a greve*:

* Este espaço é moderado e destinado à troca de informações sobre a situação do transporte coletivo em Porto Alegre. Não serão liberados comentários opinativos nem será incentivado o debate.


Siga @transitozh no Twitter

clicRBS
Nova busca - outros