Paralisação continua13/12/2013 | 15h38Atualizada em 13/12/2013 | 16h15

Reunião entre grevistas e Trensurb com o MP do Trabalho termina sem acordo

Trens devem funcionar somente em horários de pico durante o fim de semana

Enviar para um amigo


A reunião entre o Sindicato dos Metroviários (Sindimetrô/RS) e representantes da Trensurb, ocorrida na tarde desta sexta-feira no Ministério Público do Trabalho (MPT), terminou sem acordo para o fim da greve da categoria. 

Segundo o presidente dos sindicalistas, Luis Henrique Chagas, a reunião serviu para reafirmar um acordo fechado na última quarta-feira, que teria sido descumprido pela Trensurb.

— Havíamos determinado que os trens só funcionariam em horário em pico. Nesta manhã, no entanto, a empresa tentou colocar os trens em circulação com pouco efetivo e pouca segurança. Por isso, tivemos de invadir os trilhos de trem — afirmou Chagas.

Nesta manhã, a Trensurb afirmou que estava tentando retomar o serviço de trem, mantendo partidas a cada 15 minutos com funcionários que não teriam aderido à greve. Em nota, a Trensurb informou que órgãos de segurança pública haviam sido acionados e, caso sua atuação garantisse condições de circulação, trens deveriam voltar a funcionar em intervalos de 15 minutos".

Sem solução para o impasse dos grevistas — que, entre as reivindicações, pedem a redução do valor do plano de saúde —, no entanto, os trens devem funcionar somente nos horários de pico durante o fim de semana (das 5h30min às 8h30min e das 17h30min às 20h30min). O horário permanecerá este durante a greve.

Na segunda-feira, o sindicato deve apresentar uma contraproposta para a Trensurb.

Leia mais
Metroviários tomam os trilhos na estação Mercado e interrompem trensurb
Usuários precisam buscar alternativas para se deslocar sem trensurb
Trensurb tenta manter trens em funcionamento em meio à greve





Reivindicações do Sindimetrô

— Redução do valor do plano de saúde: em outubro, a Unimed reajustou o valor do plano em 45%. Enquanto isso, a Trensurb concedeu aumento de 6,49% aos funcionários. O valor cobrado é dividido entre empresa e servidor, 50% para cada.

— Aumento de efetivo: áreas como a de segurança nas estações estaria desfalcada de funcionários

— Contratos por concurso: categoria alega que 90% das equipes da área de manutenção é formada por funcionários terceirizados

Acompanhe as últimas informações pela nossa cobertura ao vivo

Siga perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraPai e madrasta de Bernardo foram a festa um dia após a morte do menino. http://t.co/mCzKfwPswYhá 10 minutosRetweet
  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraFeriadão de Páscoa deve ter chuva forte e nova queda de temperatura. http://t.co/DkbnUoK7yFhá 27 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros