O preço da má educação11/05/2012 | 07h15

Prefeitura de Porto Alegre gasta R$ 9 mil por dia na limpeza dos arroios da cidade

O Dep gasta R$ 3,3 milhões por ano - R$ 9 mil por dia - para retirar lixo e entulho de 27 arroios da Capital. Descarte correto reduziria valor em R$ 1 milhão

Enviar para um amigo
Prefeitura de Porto Alegre gasta R$ 9 mil por dia na limpeza dos arroios da cidade  Carlos Macedo/Especial
Sujeira e lixo infelizmente fazem parte dos arroios da Capital Foto: Carlos Macedo / Especial
Sacos de lixo, móveis e resto de entulhos jogados nos arroios da Capital não causam apenas danos ao meio ambiente. A falta de educação de parte da população, que não faz o descarte correto de resíduos e de materiais sem utilidade, gera também uma despesa milionária à prefeitura.

Para limpar os 27 arroios existentes em Porto Alegre — e seus afluentes —, o Departamento de Esgotos Pluviais (Dep) gasta R$ 3,3 milhões por ano - R$ 9 mil por dia. Diretor geral do Dep, Ernesto da Cruz Teixeira, afirma que, se não fosse o lixo jogado nos cursos de água da cidade, o custo cairia para R$ 2,3 milhões (33%). O Dep precisaria fazer apenas o serviço de desassoreamento.

— De março de 2009 até hoje, foram retiradas 283 mil toneladas de entulho do Arroio Dilúvio. Deste total, 40% era lixo — revela Ernesto, sobre o maior arroio da cidade, dragado frequentemente.

Quando chove, prejuízo é maior

Em dia de temporal, o prejuízo é ainda maior. Cada vez que um arroio transborda, as ruas ficam sujas, casas são alagadas e as famílias perdem tudo, necessitando da ajuda urgente dos órgãos municipais. Ernesto lembra que muitas cidades do mundo fazem o desassoreamento de rios, lagos e arroios. Na Capital, o que encarece o serviço é o transporte das milhares de toneladas do material recolhido para a estação de transbordo do DMLU, na Lomba do Pinheiro.

Arroio Mem de Sá acumula toneladas

No mês passado, equipes do DEP retiraram cerca de 40 toneladas de lixo do Arroio Mem de Sá, um afluente que corta o Bairro Bom Jesus. Quando os funcionários voltarem lá no próximo dia 17, Ernesto acredita que terá a mesma quantidade de novo.

— Te garanto que menos de 30 toneladas não terá — lamentou.

Além do lixo atirado, motoristas de caminhões e carroceiros estariam despejando entulhos à noite no curso d'água da Bonja. ­

Compare

Com o R$ 1 milhão gastos a mais com o desperdício, o município poderia construir uma Unidade de Saúde da Família (cerca de R$ 1 milhão), com capacidade para atender a 750 famílias.

No Dilúvio, limpeza é permanente

O serviço de limpeza e desassoreamento dos arroios é feito por uma empresa contratada. No Arroio Dilúvio, é permanente. Em outros, como o Arroio Sarandi, de onde foram retiradas 24 toneladas de lixo em um mês, a sujeira é recolhida conforme a necessidade. Escavadeiras hidráulicas, dragas e até escavadeiras anfíbias são utilizadas, além de caminhões para fazer o transporte. Funcionários do Dep também atuam na limpeza e conservação.

Notícias Relacionadas

Vila Dique 10/05/2012 | 16h26

Enquanto não são realocadas, 738 famílias moram à beira de arroio tomado pelo lixo na Capital

Segundo o Demhab, de um total de 1.476 famílias que irão para o novo loteamento, 738 já foram reassentadas

Comentar esta matéria Comentários (7)

rafael

infelismente as familias q amargam perdas a cada temporal, sao as mesmas em sua maioria q jogam o lixo no arroio, quanto aos carroceiros q fazem o transporte do lixo para locais impropios, multa neles e apreençao dos animais, mexendo no bolso resolve.

11/05/2012 | 15h04 Denunciar

Felipe

Vereadores, deputados, senadores... custam muito mais do que isso por dia.

11/05/2012 | 13h35 Denunciar

Edemar

Moro na zona sul, pago IPTU, porem as ruas são atiradas, com mato crescendo etc. Quanto ao problemas de enchentes devido ao lixo colocado nos valões, acaba prejudicando a todos principalmente ao que residem perto, que na realidade, são os que colocam o lixo ali, e nem sequer pagam IPTU. Desperdici

11/05/2012 | 11h10 Denunciar

Joao

Falta conscientização da população, mas vamos falar a verdade, a educação e principalmente conscientzação não faz parte da cultura do Brasileiro, o que é lamentavel.Aqui em Curitiba também é assim. O brasileiro que joga lixo e entulho nos rios e nas ruas deveria ser multado, mexer no bolso dele....

11/05/2012 | 10h32 Denunciar

Aldo Renato Soares

Outra iniciativa que a Prefeitura poderia tomar é incentivar programas de redução do consumo de água e luz, promovendo gincanas entre condomínios. Os vencedores receberiam equipamentos mais modernos e econômicos, bancados pelos fabricantes.

11/05/2012 | 08h43 Denunciar

Itamar Fortuna

Infelizmente as mentes curtas de quem mora perto destes arroios não entem isso. Não só fato de gastos com limpeza, mas as doenças que se proliferam aumentando o custo com a saude. Não conseguem entender que é mais caro ir ao médico, mesmo no SUS, do que manter o ambiente limpo.

11/05/2012 | 08h42 Denunciar

Aldo Renato Soares

A Prefeitura, junto com parceiros privados - talvez a própria RBS - deveria fazer uma campanha permanente de conscientização nos bairros, vilas e junto aos carroceiros.... Poderiam, por exemplo, estabelecer incentivos, prêmios, no caso de redução do lixo....

11/05/2012 | 08h21 Denunciar

Siga perfis de ZH no Twitter

  • transitozh

    transitozh

    Trânsito Zero HoraEm Eldorado do Sul, fluxo é intenso na BR-290, mas diminui.há 5 minutosRetweet
  • transitozh

    transitozh

    Trânsito Zero HoraNa freeway, movimento mais intenso é em Osório, com 62 carros por minuto.há 5 minutosRetweet
clicRBS
Nova busca - outros