Tecnologia e educação03/05/2012 | 03h22

Escola de Pelotas tem conteúdo em 3D

Aulas tridimensionais prendem a atenção de estudantes do Ensino Médio

Enviar para um amigo
Escola de Pelotas tem conteúdo em 3D Nauro Júnior/Agencia RBS
Estudante do 2º ano do Ensino Médio, Betina Ritter aprovou a aula de anatomia em três dimensões Foto: Nauro Júnior / Agencia RBS
Nas cybers salas da Escola Mario Quintana, em Pelotas, no sul do Estado, a anatomia ganha vida e, literalmente, salta aos olhos dos alunos.

Apresentado em tecnologia 3D em disciplinas como biologia, química, física e matemática, o conteúdo facilita o aprendizado de estudantes do Ensino Médio.

Atridimensionalidade e o movimento dos objetos no colégio particular impressionam tanto que as amigas Luana Schulz, 15 anos, e Luana Gehrke, 14 anos, nem perceberam que haviam passado a aula toda sem trocar uma palavra que não fosse o próprio conteúdo de sala de aula.

A nova forma de aprender também foi aprovada por Betina Ritter e Rodolfo Al-Alam. Ele explica que a fofoca diminuiu porque a concentração aumentou. A aprendizagem, agora, ficou com cara de brincadeira.

— Parece que a aula passa muito mais rápido, prende muito a nossa atenção. Eu me senti dentro do corpo humano, ficou mais fácil de aprender e bem melhor de fixar o conteúdo — descreve o adolescente.

Ferramenta não substitui presença de professor

A ideia para tornar as aulas mais atrativas veio da Índia. O diretor da escola, Carlos Valério, teve acesso ao equipamento 3D em um seminário em que empresários daquele país apresentaram o programa. De lá até a implantação na instituição gaúcha, passaram-se três meses, tempo de adaptação do conteúdo brasileiro.

O pacote inclui um projetor específico com o software que pode ser rodado em uma tela branca e 50 óculos próprios para a visualização. Foram compradas pela escola 250 aulas das quatro disciplinas, todas com conteúdo voltado para o Ensino Médio.

Apesar de importante e moderna, a ferramenta – que não é comum nas instituições brasileiras – não substitui a presença do professor. Valério frisa que as aulas não ocorrem como na exibição de um filme.

Há pausas para explicações do professor, e é ele quem controla o conteúdo: pode aproximar a imagem, virar e mostrar por meio de outro ângulo.

*Colaborou Rafael Diverio

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga perfis de ZH no Twitter

  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraVem aí uma nova leva de documentários sobre artistas e bandas nacionais: http://t.co/Jia82f3jCZhá 44 minutosRetweet
  • zerohora

    zerohora

    Zero HoraEquipe tenta remover bimotor parcialmente enterrado no Pará. http://t.co/efnz2cAg22há 55 minutosRetweet
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros