Pequena possibilidade14/02/2014 | 14h05

Lobão reconhece que há risco de desabastecimento de energia, mas considera "mínimo"

Ministro também afirmou que se país quiser ter sobra de energia, o consumidor terá que pagar por isso

Enviar para um amigo
Lobão reconhece que há risco de desabastecimento de energia, mas considera "mínimo" Elza Fuiza/Agência Brasil
Para o ministro, o sistema elétrico brasileiro tem equilíbrio estrutural entre oferta e demanda Foto: Elza Fuiza / Agência Brasil

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, reconheceu, nesta sexta-feira, que há um risco mínimo de desabastecimento de energia no país, caso as condições climáticas sejam "absolutamente adversas". Na semana passada, após o apagão que atingiu vários Estados, Lobão havia dito que esse risco era "zero".

— É claro que há taxa mínima de risco, se as condições forem absolutamente adversas, se não vierem chuvas — afirmou. — Nós não contamos com esse quadro. Ora, se eu não estou contando com um quadro absolutamente adverso, eu tenho que entender que o risco praticamente não existe.

Leia mais:

>Governo admite "baixíssima probabilidade" de desabastecimento de energia
>Reservatórios estão em níveis abaixo dos de 2001, ano de racionamento
>Dilma reafirma que sistema elétrico brasileiro é à prova de raio

Lobão disse ainda que o sistema conta com uma sobra de energia para garantir o suprimento em momentos de dificuldade como o atual.

— Portanto, estamos com a normalidade do processo, e não com a anormalidade. Eu não prestigio o risco mínimo ante a probabilidade máxima de não acontecer nada.

Segundo ele, porém, se o país quiser ter a sua disposição uma folga ainda maior, o consumidor terá que pagar por isso. Lobão afirmou que o país tem hoje 126 mil MW de capacidade instalada.

— Temos energia na quantidade necessária e devida — afirmou. —Se quisermos ter uma sobra de energia para garantir uma segurança ainda maior que a que temos hoje, que é sólida, teremos que pagar por isso disse. —Quanto isso custará ao consumidor? — questionou.

Para o ministro, o sistema elétrico brasileiro tem equilíbrio estrutural entre oferta e demanda, mas está sujeito a acidentes e incidentes que interrompem o fornecimento de energia. Ele afirmou que há diferença entre desabastecimento e apagões como o do último dia 4 de fevereiro.

— Apagão é uma coisa, desabastecimento é outra. Desabastecimento é o que esperamos que jamais ocorra no país — afirmou. — É claro que todo sistema está sujeito às dificuldades que existem.

Siga perfis de Economia no Twitter

  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaEspecialista diz que "bolha imobiliária" vai estourar depois da Copa. http://t.co/doxeokf18Whá 2 diasRetweet
  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaRT @Leogerchmann: Opositor argentino Sergio Massa, possível candidato presidencial, manteve na Fiesp reunião com empresários brasileiros de…há 3 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros