Tijolo acima08/01/2014 | 05h01

Preço dos imóveis em Porto Alegre no ano de 2013 sobe mais do que a inflação

Renda em alta e desemprego em baixa impulsionam aumento de 14% no valor médio de moradias

Enviar para um amigo
Preço dos imóveis em Porto Alegre no ano de 2013 sobe mais do que a inflação  Diego Vara/Agencia RBS
A demanda por casas e apartamentos em Porto Alegre estimula o avanço do custo da habitação Foto: Diego Vara / Agencia RBS

O valor médio dos imóveis novos e usados em Porto Alegre avançou 14% em 2013, mais que o dobro da inflação no período – 5,51%, conforme o IGP-M, indicador utilizado em aluguéis. E os preços devem continuar avançando no ritmo de dois dígitos em 2014, projetam especialistas e profissionais do setor.

Embora o aumento na capital gaúcha tenha sido um pouco maior do que a média de 13,7% nas 16 cidades pesquisadas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas em parceria com o site Zap (FipeZap), o custo médio do metro quadrado de uma residência em Porto Alegre, de R$ 4.843, está abaixo do nacional, de R$ 7.303 – puxado por Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo. Segundo o economista da Fipe Eduardo Zylberstajn, responsável técnico pela pesquisa, o ritmo do mercado imobiliário no país está ligado diretamente aos dados de emprego e renda, que mostraram melhora na vida dos brasileiros com crescimento reais (acima da inflação) de salário.

O salto maior do preço dos imóveis gaúchos seria impulsionado pelos baixos índices de desemprego na Grande Porto Alegre. Em novembro de 2013, essa taxa, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) chegou a 2,6%, a mais baixa entre os locais pesquisados e a menor da série histórica.

– Os preços continuam crescendo enquanto o mercado de trabalho estiver aquecido. Não vejo cenário diferente disso, a menos que a taxa de desemprego volte a subir – projeta Zylberstajn.

Levantamento semelhante realizado pelo Sindicato da Habitação no Estado (Secovi-RS) com imóveis usados em Porto Alegre também aponta para o efeito da renda no mercado imobiliário. Dados de novembro, os mais recentes disponíveis, mostram que casas e apartamentos de Vila Jardim, Sarandi, Vila Nova e Humaitá tiveram maiores valorizações.

– Aumento maior em bairros distantes do centro da cidade pode sinalizar que pessoas passaram a ganhar mais e ter mais acesso a financiamentos. Com maior demanda, o preço sobe. Deve continuar assim em 2014 – avalia Moacyr Schukster, presidente da entidade.

Estoque menor, pressão em 2014

O mercado de imóveis novos deve se manter aquecido neste ano, avalia o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado (Sinduscon/RS), Ricardo Sessecolo. O motivo seria a menor oferta de casas e apartamentos para comprar. No ano passado, a demanda cresceu 14%, mas o número de lançamentos do setor recuou 26%.

– Em Porto Alegre, há aproximadamente 5 mil apartamentos disponíveis hoje, enquanto no ano passado eram 6 mil – diz Sessecolo.

O dirigente ressalta que o preço de imóveis novos deve subir em ritmo diferente conforme a região da cidade:

– Bairros considerados nobres, como Petrópolis, Bela Vista e Higienópolis, terão alta mais expressiva, há poucos terrenos disponíveis e houve reajustes. Isso impulsiona muito o custo. Bairros mais afastados do centro da cidade terão preços mais suaves.

Longe do Centro da cidade
As maiores variações do valor do m² dos imóveis usados ocorreram nos bairros Vila Jardim, Sarandi, Vila Nova, Humaitá e Protásio Alves. Em 2013, o preço médio na Capital subiu 12,63%, mais que o dobro do Índice Geral de Preço do mercado (IGP-M), referência para reajuste do aluguel, que teve alta de 5,51% no período.

Bairro e variação em um ano*

Vila Jardim: 31,8%
Sarandi: 27,2%
Vila Nova: 21,6%
Humaitá: 21,5%
Protásio Alves: 20,6%
Rio Branco: 19,9%
Petrópolis: 19,2%
São Geraldo: 19,1%
Vila Ipiranga: 18,9%
Bom Fim: 18,9%
Azenha: 18,9%
Independência: 18,2%
Nonoai: 17,7%
Jardim Itu-Sabará: 17,1%
Higienópolis: 17%
Três Figueiras: 16,1%
Aberta dos Morros: 15,9%
Farroupilha: 15,6%
Santo Antônio: 15,5%
Auxiliadora: 14,8%
Menino Deus: 14,8%
Centro Histórico: 14,7%
Mon't Serrat: 14,3%
Santana: 14,1%
Teresópolis: 14,1%
Medianeira: 13,8%
Tristeza: 13%
Glória: 12,9%
Jardim Lindóia: 12,4%
Partenon: 12,3%
Bela Vista: 11,8%
Santa Cecília: 11,3%
Cristal: 11,3%
Passo D'Areia: 10,8%
São João: 10,3%
Cristo Redentor: 10,2%
Cidade Baixa: 9,8%
Camaquã: 9,7%
Cavalhada: 9,6%
Bom Jesus: 8,7%
Boa Vista: 8,3%
Chácara das Pedras: 8,1%
Guarujá: 8%
Jardim Botânico: 6,9%
Jardim do Salso: 6,8%
Ipanema: 6,4%
Moinhos de Vento: 6%
Floresta: 5%
Rubem Berta: 3,3%
São Sebastião: 2,5%
Santa Tereza: 1,7%
Jardim Carvalho: -1,7%
Praia de Belas: -10,1%
Vila Assunção: -13,5%

Bairro e preço médio do m², em R$
Aberta dos Morros: 2.161,85
Auxiliadora: 3.485,61
Azenha: 3.199,69
Bela Vista: 3.901,37
Boa Vista: 3.823,89
Bom Fim: 3.422,27
Bom Jesus: 2.543,08
Camaquã: 2.578,89
Cavalhada: 2.489,45
Centro Histórico: 3.287,98
Chácara das Pedras: 3.277,09
Cidade Baixa: 3.407,75
Cristal: 2.832,98
Cristo Redentor: 3.028,90
Farroupilha: 3.220,53
Floresta: 2.868,22
Glória: 2.542,87
Guarujá: 2.071,20
Higienópolis: 3.419,57
Humaitá: 2.533,58
Independência: 3.454,69
Ipanema: 2.282,80
Jardim Botânico: 3.234,78
Jardim Carvalho: 2.491,78
Jardim Itu-Sabará: 2.831,54
Jardim Lindóia: 3.117,56
Jardim do Salso: 2.397,74
Medianeira 2.611,41
Menino Deus: 3.664,07
Moinhos de Vento: 4.189,23
Mon't Serrat: 3.513,99
Nonoai: 2.482,14
Partenon: 2.794,54
Passo D'Areia: 3.325,93
Petrópolis: 3.477,70
Praia de Belas: 3.272,82
Protásio Alves: 2.282,06
Rio Branco: 3.424,18
Rubem Berta: 1.826,15
Santa Cecília: 3.006,80
Santa Tereza: 2.369,25
Santana: 3.297,79
Santo Antônio: 2.879,90
São Geraldo: 2.762,58
São João: 3.002,98
São Sebastião: 2.533,95
Sarandi: 2.573,26
Teresópolis: 2.608,39
Três Figueiras: 3.443,14
Tristeza: 2.836,48
Vila Assunção: 2.307,70
Vila Ipiranga: 2.916,82
Vila Jardim: 2.358,97
Vila Nova: 2.290,46

Obs.: Comparação realizada entre novembro de 2012 e novembro de 2013, último dado mensal disponível. Para os residenciais consideram-se: apartamentos, casas, coberturas, mobiliados e semimobiliados. Os demais bairros não tiveram dados suficientes estatisticamente para o cálculo da média nos dois períodos.
Fonte: Secovi

Siga perfis de Economia no Twitter

  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaReal foi a 2ª moeda que mais valorizou em abril: 4,63%. Só fica atrás da Rupia Indonesia (6,41%), mostra consultoria CMA.há 1 diaRetweet
  • blogdavanessa

    blogdavanessa

    BlogdaVanessaResumão tech da semana: http://t.co/3kTKBVkzybhá 3 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros