O Rio Grande que dá certo27/04/2013 | 16h03

Grupo Prato Feito avança em meio a disputa com multinacionais

Fundado há 21 anos em Santa Cruz do Sul, organização é a maior empresa gaúcha de fornecimento de alimentação coletiva

Enviar para um amigo
Grupo Prato Feito avança em meio a disputa com multinacionais Janaina Zilio/Especial
A tradição familiar falou mais alto, e Brentano dirige a empresa que serve 150 mil refeições diariamente em seis Estados Foto: Janaina Zilio / Especial

A entrevista com o presidente do Grupo Prato Feito, Washington Luiz Brentano, 53 anos, vai se encaminhando para o final quando o telefone do empresário toca. Do outro lado da linha, um de seus clientes questiona se a empresa poderia fornecer refeições aos funcionários em um canteiro de obras a ser aberto em Minas Gerais. Brentano pensa por alguns segundos e, embora não seja uma atividade corriqueira para o Prato Feito, em seguida responde positivamente.

Assim vem acontecendo desde que o grupo foi fundado por ele e outros três sócios, há 21 anos: aproveitam-se as oportunidades de mercado. De desafio em desafio, o Prato Feito tornou-se a campeã entre as empresas exclusivamente gaúchas no segmento de refeições coletivas, chegando à marca de 150 mil refeições diárias servidas em mais de cem municípios em seis Estados, de acordo com o Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas dos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina (Sierc RS-SC).

Tudo começou em 1991, em Santa Cruz do Sul, com 13 funcionários e um total de 120 refeições diárias, fornecidas a uma fumageira da cidade. Na época, Brentano, natural de Santo Cristo e filho de um padeiro e de uma confeiteira, já havia tentado várias atividades, desde jogador de futebol a cursar Agronomia. No entanto, foi quando decidiu resgatar suas raízes e entrar para o ramo da alimentação que encontrou o caminho.

– Nasci e cresci naquele meio e foi ali que encontrei meu futuro profissional. Detectei que havia uma oportunidade no setor de refeições coletivas e resolvi fundar minha própria empresa com outros sócios – conta.

Vídeo: o presidente do Grupo Prato Feito, Washington Brentano, dá sua receita de sucesso:



O primeiro divisor de águas do Prato Feito ocorreu em 1994. Com apenas três anos, o empreendimento enfrentava uma grave crise financeira. Para não fechar as portas, Brentano decidiu comprar as partes dos sócios e injetou dinheiro para equilibrar as contas da empresa:

– A partir de então, passamos a implantar uma nova gestão, mais profissional e estruturada, para que as possíveis crises não pudessem nos abalar tanto – diz o executivo.

Em 1999, o Prato Feito adquiriu a primeira empresa, a Vinhedos, de Caxias do Sul, tornando-se um grupo, que foi crescendo ao longo dos anos. Em março deste ano, foi fechada a última negociação, com a Glow Brasil Facilities, de Santa Catarina, chegando a um total de oito incorporações.

Em um mercado bastante competitivo e administrado em grande parte por poucas multinacionais, o Grupo Prato Feito alcançou, em 2012, um faturamento de R$ 140 milhões – crescimento de 100% em três anos, segundo a empresa.

O resultado foi obtido a partir de um projeto estratégico de 2009 e que previa duplicar os resultados até 2014. No entanto, o objetivo foi alcançado já no ano passado. Com isso, novas metas foram traçadas pela empresa e, com R$ 200 milhões já contratados para 2013, a ideia, agora, é chegar aos R$ 400 milhões anuais e 9 mil funcionários até 2017.

As altas expectativas têm como base o aumento contínuo no número de pessoas que fazem refeições fora de casa. Outro fator que também deve influenciar para que a empresa atinja seus objetivos é o investimento em tecnologia. De 3% a 3,5% do faturamento anual é aplicado na área. Neste ano, o Prato Feito já está investindo R$ 2,5 milhões em equipamentos na cozinha industrial de um de seus clientes que deve fazer dela uma das mais modernas do país.

O maior enfoque em outro ramo de atuação também deve impulsionar os negócios. Embora atue há 15 anos em facilities, o Grupo Prato Feito se restringia à área de sua sede, em Santa Cruz do Sul. A partir da aquisição da catarinense Glow Brasil, passou a oferecer soluções para clientes em todo o país no segmento de limpeza administrativa e industrial, terceirização de profissionais, mão de obra temporária, ajardinamento e serviço de apoio administrativo, operacional e de fiscalização.

A estratégia é simples: a empresa aproveita os clientes já conquistados, otimiza custos com a logística e fortalece a marca, diz Brentano:

– É uma forma que encontramos de permanecer competitivos.

A longo prazo, o futuro do grupo já está traçado. O fundador do Prato Feito planeja deixar a empresa daqui a sete anos e a direção do negócio deve ficar na mão dos dois filhos mais velhos, Felipe, 24 anos, e Fernando, 22 anos, que já trabalham com o pai.

– Eles cresceram no meio empresarial, porque além do Prato Feito, a família da mãe deles até poucos anos administrava uma fumageira. Eles ouviam falar de negócios até no churrasco de domingo. Mas sempre deixei que escolhessem se queriam trabalhar comigo e, para minha felicidade, essa foi a opção deles – diz, orgulhoso, Brentano.

Perfil

Data de fundação: julho de 1991

Descrição: atua servindo refeições em restaurantes corporativos, cafeterias, quiosques e eventos e também atua no ramo de facilities, prestando serviços como limpeza, recepcionista, telefonista, ajardinamento e mão de obra temporária, entre outros.

Empresas do grupo: Prato Feito Alimentação e Serviços, Vinhedos Refeições Coletivas, Nutriclínicas Refeições Hospitalares, Guten Appetit Alimentação e Serviços, Cozinhas Industriais Fraiburgo, Villare Gastronomia Empresarial, Gollden Food Indústria e Comércio de Alimentos e Glow Brasil Facilities.

Clientes: 589 pontos, sendo 358 no setor de alimentação e 231 na área de serviços

Refeições diárias: 150 mil

Funcionários: cinco mil

Faturamento: R$ 140 milhões em 2012, crescimento de 100% nos últimos três anos

Projeção para 2013: R$ 200 milhões (aumento de 42%)

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga perfis de Economia no Twitter

  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaEspecialista diz que "bolha imobiliária" vai estourar depois da Copa. http://t.co/doxeokf18Whá 18 horas Retweet
  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaRT @Leogerchmann: Opositor argentino Sergio Massa, possível candidato presidencial, manteve na Fiesp reunião com empresários brasileiros de…há 1 diaRetweet
clicRBS
Nova busca - outros