Onda naval 21/08/2012 | 05h06

Complexo do Jacuí fortalece posição gaúcha na indústria naval

Novo centro de produção consolida RS como segundo maior empregador do país no setor

Enviar para um amigo
Complexo do Jacuí fortalece posição gaúcha na indústria naval Eduardo Beleske/Agencia RBS
Módulos de plataformas serão fabricados em Charqueadas Foto: Eduardo Beleske / Agencia RBS

Ao descentralizar a produção naval e a fabricação de equipamentos para o setor, o Rio Grande do Sul se consolida como o segundo maior polo da indústria oceânica no país — atrás apenas do Rio de Janeiro.

Em Charqueadas, com empreendimento confirmado da Iesa Óleo & Gás, serão fabricados módulos para plataformas montadas nos estaleiros de Rio Grande.

A diversificação da produção, desde materiais leves a pesados, do parafuso ao casco, coloca a indústria naval gaúcha em posição de destaque no cenário nacional. Com três estaleiros para esse segmento e novos contratos de fornecimento de módulos para plataformas da Petrobras, o Rio Grande do Sul se firma em segundo lugar em número de trabalhadores no setor, segundo Augusto Mendonça, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Construção Naval e Offshore (Abenav).

— Essa verticalização vai atrair cada vez mais investidores ao Rio Grande do Sul — avalia Mendonça, acrescentando que os canteiros para construção de módulos e outros equipamentos continuarão crescendo no país, com as novas licitações previstas pela Petrobras, como as da P-74 e P-76.

O lançamento oficial do Polo Naval do Jacuí, que compreende ainda os municípios de São Jerônimo e Triunfo, será feito hoje à tarde pelo governador Tarso Genro. A solenidade, no Palácio Piratini, terá a presença da presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e do presidente da Iesa Óleo e Gás, Valdir Lima Carreiro.

Ligação entres dois complexos será realizada por hidrovias

Há menos de um mês, a empresa assinou contrato com a Petrobras, no valor de US$ 720,4 milhões, para fornecer 24 módulos destinados a seis plataformas de exploração marítima de petróleo.

Para executar esses contratos, a Iesa investiu R$ 100 milhões na unidade industrial em Charqueadas, às margens do Rio Jacuí. Além da Iesa, outros quatro empreendimentos têm interesse em se instalar no local (veja abaixo).

— Estamos ampliando o polo de Rio Grande, que está se esgotando, para outra região com potencial para receber investimentos do setor — explicou o secretário estadual de Desenvolvimento e Promoção do Investimento, Mauro Knijnik.

A ligação entre os dois polos navais se dará por meio de hidrovias, hoje quase inexploradas no Estado.

— A questão geográfica, que permite o transporte por balsas, é fundamental para interligar os dois portos. Além da logística, a proximidade com a Região Metropolitana facilita a contratação de mão de obra, um dos principais desafios para a indústria oceânica — aponta Oscar de Azevedo, coordenador do Comitê de Petróleo, Gás e Energia da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs).

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga perfis de Economia no Twitter

  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaRoupas e calçados devem puxar alta de 8% nas vendas para o Dia das Mães, projetam lojistas de Porto Alegre. Data movimentará R$ 79 mi.há 6 horas Retweet
  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaReal foi a 2ª moeda que mais valorizou em abril: 4,63%. Só fica atrás da Rupia Indonesia (6,41%), mostra consultoria CMA.há 2 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros