Seleções14/12/2013 | 13h04

Cotas em concursos dividem opiniões

Projeto em análise no Congresso prevê reserva 20% das vagas em processos seletivos para negros

Enviar para um amigo
Cotas em concursos dividem opiniões Emílio Pedroso/Agencia RBS
Foto: Emílio Pedroso / Agencia RBS

O projeto de lei encaminhado ao Congresso pela presidente Dilma Rousseff prevendo a reserva de 20% das vagas de concursos públicos para negros ressuscitou o debate sobre o sistema de cotas. Se para parte dos especialistas a separação de postos para afrodescendentes no mercado de trabalho é um ganho natural após a garantia desse direito nas universidades públicas, outros tantos avaliam que, caso seja aprovada, a proposta pode acabar com o sistema de meritocracia que rege os certames para a administração pública.

Mamede Said Maia Filho, professor de direito administrativo da Universidade de Brasília, avalia que a criação de cotas como política temporária para superar desigualdades é interessante. Mas destaca que o processo precisa ser monitorado pelo governo para ser encerrado na medida em que os abismos forem superados.

Um dos fundadores da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos e presidente do Grupo Vestcon, Ernani Pimentel avaliou a decisão de Dilma como "jogada eleitoral". Pimentel diz não haver nenhuma racionalidade nessa medida, uma vez que a segregação no país se dá pela falta de condições financeiras.

— Quem não tem dinheiro deixa de se preparar bem para poder competir porque a educação no Brasil é mais cara. Não é o negro que tem que ser beneficiado. Os pobres, sim, precisam ser favorecidos — sugere, propondo que o governo crie bolsas de estudo para que parte da população possa ter acesso a ensino de qualidade na hora de se preparar os concursos.

A professora Carmen Migueles, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas na Fundação Getulio Vargas, concorda que, com a exclusão histórica dos negros, devem ser adotadas políticas afirmativas. Ela afirma, contudo, que o sistema de cotas pode representar um problema de gestão para o governo federal:

— O que estão fazendo é criar uma seleção adversa, dando direito a quem não conseguiu passar por nota. O governo fere os princípios da gestão do Estado ao priorizar a entrada de pessoas menos preparadas para exercer funções importantes.

Na opinião da professora, as cotas podem provocar um inchaço no governo, que vai ficar mais caro e, possivelmente, mais incompetente para a prestação de serviços.

 

Para o governo, proposta é transformadora

Ao anunciar o projeto, no início de novembro, a presidente Dilma Rousseff avaliou que a iniciativa tem imenso potencial transformador e pediu um amplo debate, além de cobrar celeridade dos parlamentares.

— O projeto da lei das cotas no serviço público institui um percentual mínimo. E é mais um exemplo para os outros entes da federação, Estados e municípios, e também dos demais poderes, Legislativo e Judiciário — disse a presidente.

Para Dilma, o projeto deve estimular um processo de reformulação nos quadros do governo e no setor privado. A intenção do governo seria estimular prática semelhante nas empresas.

O projeto já foi aprovado pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara. O relator, deputado Vicentinho (PT-SP), disse que o objetivo é reparar uma injustiça social que pode ser verificada na própria Câmara onde, dos 513 deputados, apenas 40 são negros.

— É preciso que haja um momento em que a cor não seja quesito para a exclusão, para a humilhação e sobretudo, para a violência — afirmou o parlamentar.

Mas, para o deputado Sílvio Costa (PSC-PE), único a votar contra na comissão, a proposta é inconstitucional porque a Constituição diz que todos são iguais perante a lei:

— O sistema de cotas, ele é inconstitucional, apesar de o Supremo (Tribunal Federal) ter cedido à pressão corporativista de parte da opinião pública e ter dito que é constitucional. A grande questão é a seguinte: lá no sertão do Pajeú (região do sertão pernambucano), você tem uma grande quantidade de pobres que são brancos. Eles sofreram um golpe — afirmou Costa.

O projeto ainda será analisado pelas comissões de Direitos Humanos e de Constituição e Justiça e, em seguida, pelo Plenário.

Somente entre agosto e outubro de 2013, o Ministério do Planejamento confirmou concursos para seis instituições públicas, que reúnem 2,8 mil vagas e devem acontecer até junho.

A estimativa da pasta é de que mais de 47 mil pessoas ingressem no Executivo no próximo ano. O Projeto da Lei Orçamentária Anual de 2014 prevê que, desse número, 42.353 são cargos vagos e novos, e 4.759, para substituição de terceirizados no serviço público.

 

O que prevê o projeto de lei

— Reserva 20% das vagas oferecidas nos concursos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal.

— A reserva será aplicada sempre que o número de vagas oferecidas no concurso for igual ou superior a três.

— Para concorrer às vagas, os candidatos devem se autodeclarar pretos ou pardos no ato da inscrição no concurso público.

— Se for constatada declaração falsa, o candidato será eliminado do concurso e, se houver sido nomeado, ficará sujeito à anulação da sua admissão.

— Os candidatos negros concorrerão concomitantemente às vagas reservadas e às vagas destinadas à ampla concorrência, de acordo com a sua classificação no concurso.

— Os candidatos autodeclarados negros aprovados dentro do número de vagas oferecido para ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas para negros.

— A lei terá vigência por 10 anos e não se aplica a concursos cujos editais já foram publicados.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga perfis de Economia no Twitter

  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaRoupas e calçados devem puxar alta de 8% nas vendas para o Dia das Mães, projetam lojistas de Porto Alegre. Data movimentará R$ 79 mi.há 6 horas Retweet
  • farina_erik

    farina_erik

    Erik FarinaReal foi a 2ª moeda que mais valorizou em abril: 4,63%. Só fica atrás da Rupia Indonesia (6,41%), mostra consultoria CMA.há 2 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros