Quem são os bolebolenses22/06/2013 | 19h03

Conheça os principais personagens de "Saramandaia"

No remake, Tarcísio Meira é Tibério Vilar e Fernanda Montenegro vive Candinha

Enviar para um amigo
Conheça os principais personagens de "Saramandaia" Alex Carvalho/TV Globo
Fernanda Montenegro vive Candinha em "Saramandaia" Foto: Alex Carvalho / TV Globo

O político perfeito

Lua Viana (Fernando Belo) é o prefeito que toda cidade gostaria de ter. Apartidário e honesto, governa para o povo, sem levar em consideração interesses próprios nem se dobrar a ameaças dos poderosos da região. Depois de anos das administrações centralizadoras do fazendeiro Zico Rosado (José Mayer), Lua foi eleito por habitantes cansados das desavenças entre as famílias rivais. Mesmo com um irmão saramandista, não se posiciona e é justamente sua neutralidade que incomoda a namorada, Zélia Vilar (Leandra Leal). O político incorruptível não escolherá um lado nem mesmo quando a disputa na cidade se acirrar.

O homem que virou árvore

Tibério Vilar (Tarcísio Meira) nasceu e cresceu convivendo com o ódio de sua família pelos Rosado. Aprendeu a sentir o mesmo pelos rivais, sem entender o porquê de tanta animosidade. Em seus áureos tempos, foi extremamente violento no comando da fazenda, talvez para tentar extirpar a grande frustração de sua vida: não ter conseguido lutar pelo amor de Candinha (Fernanda Montenegro). Hoje, vive enfurnado em sua poltrona. Criou raízes e virou, literalmente, uma árvore.

A companheira das galinhas

Viúva, Candinha (Fernanda Montenegro) passa os dias vagando pela fazenda, jogando ironias para a nora e conversando com dezenas de galinhas mágicas, que só ela e o público veem. As divertidas companheiras do dia a dia são imaginárias e, por isso, a família acha que a senhora já perdeu a lucidez. Mas é intuitiva, tem noção de tudo o que acontece ao seu redor. Só prefere ficar quieta, esperando o dia em que seu amor, Tibério (Tarcísio Meira), irá buscá-la.

Um lobisomem clássico

Nas noites de quinta-feira é comum vê-lo zanzando pela cidade. Enquanto espera a meia-noite, o presidente do Centro Cívico ensaia seus rebuscados discursos a favor da causa bole-bolense. Mas, quando o relógio indica que já é sexta-feira, o uivo escutado por toda a cidade é do lobisomem em que se transforma o professor Aristóbulo (Gabriel Braga Nunes). Recatado e tímido, Aristóbulo não dorme há 10 anos e está sempre à procura de algo que lhe ajude a passar o tempo durante a madrugada.

A mãe do lobisomem

Dona Pupu (Aracy Balabanian) acredita que a única solução para Neném, como chama o filho Aristóbulo desde a infância, é encontrar uma esposa. Por isso simpatiza tanto com Risoleta (Debora Bloch), quando a conhece. A dona da pensão da cidade é caidinha por Aristóbulo e, sem medo algum, sonha com o dia em que o verá com as mãos peludas. Sua paixão é correspondida, mas o professor zela por sua reputação e tem pudores de entrar na pensão. É que Risoleta e suas meninas Dora (Carolina Bezerra) e Rosalice (Camila Luciolla) não são bem vistas pelas cidadãs bolebolenses. Mas o ambiente da pousada é familiar e, à noite, os homens de Bole-Bole se reúnem no bar do estabelecimento para beber e conversar. Morador do local, Dr. Rochinha (André Frateschi) está sempre ali também, afogando suas mágoas.

Coração que sai pela boca

Não discutam com Cazuza (Marcos Palmeira) sobre a troca do nome da cidade. Tradicionalista roxo, conservador e exímio bajulador de Zico Rosado, o dono da única farmácia da cidade pode se alterar e literalmente colocar o coração pela boca. Aí é um Deus nos acuda para segurar o queixo, apertar os lábios e engoli-lo novamente. O problema é tão sério que já foi inclusive dado como morto depois de uma acalorada conversa sobre o plebiscito.

Um amor quente e puro

João Gibão (Sergio Guizé) e Marcina (Chandelly Braz) são apaixonados. Ela não liga que ele é esquisito. Por saber que o namorado esconde algo, pede apenas que confie nela e aceite seus carinhos. Mas, apesar de amá-la, Gibão não consegue se entregar, deixando a moça em brasa. Marcina, louca pelo amado, arde de desejo não consumado: sua pele fica vermelha, a temperatura do corpo sobe além do que podem marcar os termômetros e tudo o que toca queima, sossegando apenas com água fria.

A mulher de 250 quilos

As crianças gritam cada vez que o solo de Bole-Bole treme com as pesadas passadas da distinta Evangelina, a Redonda (Vera Holtz). A senhora anda pela cidade com seus 250 quilos, entre idas à igreja e visitas às amigas. Tradicionalista ferrenha, espalhafatosa e resmungona, só se mostra mais simpática quando o franzino e discreto marido Encolheu (Matheus Nachtergaele) elogia suas volumosas curvas. O coitado sofre do estômago e não tem o mesmo apetite que a esposa.

 

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Segundo Caderno no Twitter

  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoEm novo álbum, Jorge Drexler busca inspiração nos ritmos latinos -->> http://t.co/zq3zL1GotU http://t.co/PqBuandUlKhá 2 diasRetweet
  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoPresidente da Colômbia nega que García Márquez esteja com metástase -->> http://t.co/6AMkSpdhUQ http://t.co/TKZ9stxviShá 4 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros