Arquitetura e sonho06/12/2012 | 01h21

As três obras de Niemeyer em solo gaúcho

Os memoriais a Getúlio Vargas e Prestes, além da Casa do Povo, são as heranças do arquiteto para o povo rio-grandense

Enviar para um amigo
As três obras de Niemeyer em solo gaúcho Cláudio Gottfried/Especial
Modificação planejada pela prefeitura de São Borja no projeto original do mausoléu que guarda os restos mortais do ex-presidente Getúlio Vargas Foto: Cláudio Gottfried / Especial

Reportagem publicada originalmente em dezembro de 2011 no caderno Cultura de ZH

Do jardim da infância ao ginásio convivi todos os dias com um Getúlio Vargas alto, um monumento de 150 quilos de mármore, mirando a igreja do cônego Wiro, personagem com um sotaque daqueles próprios dos sacerdotes. De costas na ida e de frente na volta, Getúlio me esperava sobre o pedestal com a carta-testamento.Menos aos sábados nos víamos, dia de fazer nada em São Borja. Nos dias úteis, no percurso diagonal até o colégio das freiras Sagrado Coração de Jesus, na esquina da Praça XV de Novembro, deixava de me preocupar com sabatinas, amores platônicos e bullying (update de gozação dos colegas, no caso, pelos cambitos que me acompanham até hoje) para erguer o nariz. Eu checava o desrespeito das pombas com o tampo da cabeça do presidente e, confesso, tinha medo de ser a próxima vítima. A praça era limpa – mas nunca gostei da parte da manutenção com as pinturas de cal a emoldurarem os passeios –, e o paisagismo exibia a mesma espécie de árvores que demarcava a perder de vista a minha rua,uma depois da Avenida Getúlio Vargas. Poucas espécies sobressaíam, como o flamboyant no lado oposto ao da igreja e da prefeitura, para mim o mais importante, o da loja dos meus avós, um sobrado art déco com um pavimento desocupado que os pombos do Getúlio descobriram, furaram os vidros e se tornaram inquilinos vândalos.

Eis que décadas de distância se interpuseram entre eu e aquele Getúlio que no domingo era o único a me esperar na saída da missa.Voltei para casa na segunda metadedos anos 2000 por força da morte de uma  tia-avó que terminou a vida no primeiroedifício da cidade,agora de frente para o novo recanto do presidente são-borjense. Percorri a Praça XV meio anestesiada pelo cansaço, a tristeza e a emoção.Não reconheci as árvores, revoltas e crescidas sem controle, nem de longe parecidas com os canteiros à moda europeia da minha memória. Cadê o Getúlio? Na idade madura, sem a saia azulmarinho pregueada, encurtada por força de dobras rudimentares, antes que a estátua piscasse e longe das irmãs de hábito preto – ou cinza, conforme a estação, descubro no centro do traçado da praça um Oscar Niemeyer. Onde gastei muitos sapatos e poucas congas há agora uma peça de concreto, tal como uma obra do arquiteto deve ser.Tenho que admitir ser a maior homenagem ao presidente de bronze.

Desde os 50 anos da morte do presidente, em 24 de agosto de 2004, a representação figurativa de Getúlio Dornelles Vargas recuou metros do local original habitado desde 1959 e desceu do pedestal para ceder espaço à homenagem abstrata. Com a forma curva do concreto rasgada por um filete de sangue e a placa com a carta-testamento aplicada, a escultura de Niemeyer assume o centro, sobre os restos mortais do presidente.São Borja inteira chama a obra escultórica de mausoléu. Sinto arrepios com essa palavra. Prefiro memorial, mais delicado e igualmente respeitoso, com um sentido de homenagem. Espero que em breve saia a obra do espelho d’água no entorno do projeto de Niemeyer – com ou sem tantos chafarizes – e chamem do nome que quiserem,tal como eu.


Eleva-se a 15 metros de altura da base o Monumento à Coluna Prestes erguido em concreto na saída da Avenida Ipiranga, um dos acessos a Santo Ângelo. Essa escultura, executada na região ao longo do ano de 1996, tem projeto doado por Oscar Niemeyer ao município missioneiro e se encontra na companhia de um pilar de concreto com uma placa de bronze referente ao ponto de partida da marcha revolucionária. O arquiteto urbanista da prefeitura, Paulo Tissot, aguarda a anuência do escritório do mestre para providenciar uma espécie de retorno da obra ao projeto original. O esboço do serviço contém um trabalho de manutenção para eliminar os efeitos da poluição e uma limpeza visual, para a retirada de excessos do entorno deixando o “espaço livre de obstáculos visuais” como o afastamento de um poste de luz próximo demais à criação de Niemeyer. O formato do monumento, segundo Niemeyer, representa o Brasil e o vinco é a Coluna Prestes pelo país, levando os ideais de liberdade, patriotismo e mudanças, teria dito um dos filhos de Prestes.
Foto: Tiago Vianna, especial




Oscar Niemeyer teria denominado de Ginásio Poliesportivo o complexo para manifestações culturais consolidado como Casa do Povo, em Vacaria. Implantada em uma esquina junto à linha férrea, à Rua Borges de Medeiros, 1.987, não distante do Centro, se encontra a maior obra construída do mestre moderno no Estado. Chega a 3.588,47 metros quadrados a área construída total do prédio de concreto no centro de um terreno de 9.229,38 metros quadrados. De propriedade do município, aedificação começou a ser erguida em agosto de 1985 e, em setembro de 1988, concluída parcialmente, foi inaugurada sob o nome de Casa do Povo. No último trimestre de 2009, foi assinado um contrato entre a associação amigos da Casa do Povo e a empresa responsável pela execução das obras de estabilização e reforma e recuperação das estruturas. Estão concluídos 70% dos serviços previstos, como as obras de reforço e estabilização da estrutura.
Foto: Fabiano Nunes, especial

Siga Segundo Caderno no Twitter

  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoHumberto Gessinger participa do bate-papo "Com a Palavra", no StudioClio -->> http://t.co/1zMdAgJTlo http://t.co/0ewttpvDAIhá 19 horas Retweet
  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoPalco Giratório Sesc-POA terá 130 atrações. Venda de ingressos começa nesta quarta -->> http://t.co/BQM6QwC63n http://t.co/iPmSKJNyhlhá 20 horas Retweet
clicRBS
Nova busca - outros