Relíquias nipônicas03/02/2012 | 08h11

Memorial da Colônia Japonesa, em Ivoti, conta a história dos imigrantes

Mostra reúne louças, vestimentas, documentos e ferramentas dos colonos que chegaram à região nos anos 1960

Enviar para um amigo
Memorial da Colônia Japonesa, em Ivoti, conta a história dos imigrantes Sandra Hess/Divulgação
Acervo foi doado pelas 46 famílias de origem japonesa que vivem em Ivoti Foto: Sandra Hess / Divulgação

Louças, vestimentas, documentos e ferramentas. Verdadeiras relíquias da imigração japonesa no Rio Grande do Sul, os artefatos são encontrados no Memorial da Colônia Japonesa, em Ivoti.

Atraídos pela curiosidade que a cultura milenar desperta, gaúchos visitam o Vale do Sinos para conhecer as raízes dos colonos que chegaram à região em meados da década de 1960. Foram mais de 2 mil visitantes no primeiro ano de funcionamento do espaço.

Todo o acervo foi doado pelas 46 famílias de origem japonesa que vivem em Ivoti. Algumas preciosidades, como as malas usadas na travessia que durava pelo menos 40 dias de navio, estão presentes.

— Essas mesmas malas serviram de berço para as primeiras crianças que nasceram no Brasil. Só por isso já se pode medir a importância de preservar esses objetos. Eles contam a história da luta dessas famílias — afirma a diretora do Departamento Municipal de Cultura de Ivoti, Gabriela Dilly.

Pertencentes à maior colônia japonesa do Estado, os imigrantes começaram a chegar em Ivoti em 1966. Muitos dos primeiros colonos ainda vivem no local, mas foi pensando nas futuras gerações que as famílias resolveram doar pertences pessoais para o memorial. A peças retratam aspectos culturais, esportivos e também há objetos que mostram como trabalhavam os primeiros imigrantes. Até mesmo a documentação de uma cooperativa montada para venda da produção de uva e kiwi das famílias vindas do Japão foi preservada e exposta.

— Antes de mostrarmos para os turistas como era a vida dos imigrantes, queremos mostrar para os descendentes de japoneses esse capítulo de sua história. As próprias famílias visitam o memorial com frequência — diz Dilly.

O espaço tem atraído mais turistas do que o esperado, a maioria da Região Metropolitana: os 60 quilômetros que separam a cidade de Porto Alegre normalmente são o início de um roteiro que passa por Ivoti e segue em direção à Serra, por cidades como Nova Petrópolis, Gramado e Canela.

O Memorial da Colônia Japonesa fica na Rua Sakura, 1.353, no bairro Colônia Japonesa, e pode ser visitado de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h30min e das 13h30min às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, das 9h ao meio-dia e das 13h30min às 18h. A entrada é franca.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Segundo Caderno no Twitter

  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoEm novo álbum, Jorge Drexler busca inspiração nos ritmos latinos -->> http://t.co/zq3zL1GotU http://t.co/PqBuandUlKhá 7 horas Retweet
  • segundocaderno

    segundocaderno

    segundocadernoPresidente da Colômbia nega que García Márquez esteja com metástase -->> http://t.co/6AMkSpdhUQ http://t.co/TKZ9stxviShá 2 diasRetweet
clicRBS
Nova busca - outros